Produção de biomassa a partir de tocos e raízes de eucaliptos leva a Eldorado a anunciar investimentos de R$300 milhões em térmica no MS

A fabricante de celulose Eldorado Brasil vai aproveitar tocos e raízes de eucalipto, não utilizados na operação de colheita, para geração de energia a partir de biomassa. A empresa venceu o leilão da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), realizado no final de abril 2016, com o projeto Usina Termoelétrica (UTE) Onça Pintada, que vai gerar energia utilizando cavacos de madeira como principal combustível, com potência instalada de 50 MW. O investimento de R$ 300 milhões na construção da UTE de biomassa prevê gerar mais de 1.000 empregos diretos e indiretos para a região.

Um projeto-piloto de utilização da biomassa extraídas dos tocos e raízes de eucalipto das florestas da Eldorado foi realizado durante quatro meses ao longo de 2015. Esses cavacos de madeira, de elevado poder calorífico –superior ao da cana, por exemplo–, foram processados em térmicas da região de Três Lagoas, evidenciado a viabilidade da biomassa da companhia para geração de energia.

A UTE Onça Pintada será instalada em uma fazenda da companhia em Aparecida do Taboado (MS) e irá iniciar o fornecimento ao sistema elétrico nacional em janeiro de 2021, conforme previsto em leilão. O projeto agora segue para homologação na Aneel.

 

Grupo Freudenberg investe R$ 60 milhões na nova planta de Valinhos (SP)

As novas instalações serão operadas em conjunto pela Chem-Trend e SurTec, ambas pertencentes à Divisão de Especialidades Químicas do Grupo Freudenberg, e irão desenvolver, fabricar e comercializar agentes desmoldantes, especialidades químicas de processo e soluções de tratamento químico de superfície para atender clientes em vários segmentos.

O tamanho total da planta é de 29 mil m², dos quais 11 mil m² são de área construída. A capacidade de produção anual máxima é de 13 mil toneladas, destinadas a agentes desmoldantes, auxiliares de processo e produtos de tratamento químico de superfície. Mais de 100 colaboradores, incluindo os terceirizados, trabalham em prol dos clientes de várias indústrias, incluindo a automotiva, aeroespacial, calçados, energia eólica, construção civil, indústria em geral e de eletrodomésticos, entre outras. 

A nova planta possibilita melhorias na eficiência operacional, oferece áreas para testes de aplicações e engenharia e garante tempos de resposta mais curtos. Em longo prazo, a nova operação também será focada na produção de produtos de última geração e oferece oportunidades que aproveitem ao máximo os potenciais de sinergia entre as duas empresas.

O projeto tem recebido apoio da Investe São Paulo, agência de promoção de investimentos e exportação ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo.

Prova de conceito mostra como as tecnologias digitais melhoram a eficiência no chão de fábrica

A empresas Dassault Systèmes e Accenture estão trabalhando em uma prova de conceito (Proof of Concept – PoC), numa grande empresa de equipamentos industriais, para mostrar como as tecnologias digitais podem melhorar a eficiência e a agilidade na manufatura em indústrias como as de equipamentos pesados e aeroespacial.

Produzida e implementada em três fases, a nova solução utiliza tecnologias digitais para criar uma conexão entre a engenharia e o chão de fábrica. Voltada a empresas de manufatura não-repetitiva, proporciona um novo nível de continuidade para o processo de montagem do produto, incluindo a sequência em que as peças são produzidas, e proporcionando um nível melhor de compreensão sobre o processo, tanto para engenheiros quanto para a equipe de montagem.

A primeira fase dessa solução de manufatura ágil cria a sequência teórica necessária à montagem de produtos, tal como um trem, um avião ou uma escavadora. A segunda fase ajuda a construir, otimizar e replanejar de forma rápida o plano operacional e a programação de cada trabalhador de chão de fábrica. A terceira fase cria um display digital da programação desses profissionais para que possam consultá-la. Essas três fases utilizam soluções da Dassault Systèmes.

Substituindo o que tem sido muitas vezes um processo baseado em papel, Dassault Systèmes e Accenture estão criando uma solução que fornece uma nova conexão digital entre a equipe de engenharia e o chão de fábrica, permitindo mudanças em tempo real. Essa solução também pode fornecer novas percepções e avaliação de risco sobre quaisquer mudanças propostas para um produto ou para a programação da montagem antes da produção, reduzindo muito a inatividade e criando uma manufatura mais ágil.

“A Internet das Coisas (IoT) Industrial e outros conceitos digitais estão permitindo que os fabricantes embarquem em uma nova era de processos produtivos, sustentáveis ​​e econômicos que resultem em uma melhor experiência para seus clientes”, afirma Laurent Blanchard, Vice-Presidente Executivo de Operações (EMEAR), Alianças e Serviços Globais da Dassault Systèmes. “Estamos ampliando nossa colaboração de longa data com a Accenture para levar a manufatura ágil à era da experiência.

As empresas podem se beneficiar da experiência da Dassault Systèmes em operações virtuais de manufatura digital e aplicativos de gerenciamento de dados e, também, das melhores práticas da Accenture em serviços de integração, reengenharia de processos de negócios, gestão de mudanças e implantação.”

RS pode se tornar um polo industrial de produtos e insumos nanotecnológicos

Um contrato assinado este mês irá contribuir para que o Rio Grande do Sul se torne um polo industrial no país de produtos e insumos nanotecnológicos. O acordo envolve o Grupo empresarial FK-Biotec S.A. e a Fundação de Ciência e Tecnologia (CIENTEC) – fundação pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado do Rio Grande do Sul.

Com investimentos globais de R$ 2 milhões, o Grupo FK estima produção inicial, com início ainda no mês de maio, de até 600 L diários de fragrâncias e óleos essenciais de nanoestruturados, devendo chegar a 2.000 L até o fim do ano, informa o cientista Fernando Kreutz, pesquisador à frente da Holding de pesquisa.

O Grupo utilizará a multiplanta tecnológica da CIENTEC, localizada em Cachoerinha, RS, para realização de testes piloto e produção em escala industrial do produto Nanovech – um odorizador de ambientes com nanogotículas de citronela (Nanocitronela) que já está disponível nas gôndolas de supermercados de todo o Brasil.

Além disso, a FK trabalha para o lançamento de uma linha de fragrâncias nanoestruturadas da empresa Khala, uma spin out do grupo FK-Biotec, especializada em cosméticos e insumos nanotecnológicos.

A CIENTEC foi o berço de criação do Grupo FK, que, em 1999, iniciava suas atividades na Incubadora Tecnológica da Cientec.

Estimativas de profissionais do campo da nanotecnologia, informa o Grupo FK-Biotec, é de que o setor possa movimentar no mundo, até 2018, um montante de R$ 4 trilhões; e o Brasil espera ter 1% de todo esse mercado, gerando negócios ao redor de R$ 40 bilhões.

As novas soluções para melhorar o gerenciamento logístico das indústrias

Tudo na indústria deve e precisa ser otimizado: não se produz em excesso, planeja-se o que será fabricado e, consequentemente, sua destinação ao cliente final. Portanto, gerenciar de modo eficiente e integrado a cadeia logística, da produção à distribuição, permite disponibilizar o produto certo, na quantidade e lugar certos, dentro do prazo e com o mínimo custo, sem desperdício. A gestão logística deve ser percebida como um processo integrado capaz de apoiar a tomada de decisões.

Considerada uma atividade estratégica para as indústrias, já que impacta diretamente no custo final e no nível de satisfação do cliente, a logística está levando as empresas a buscarem novas soluções tecnológicas para planejar e otimizar seus estoques e suas entregas. Com esta seção, você tem a oportunidade de conhecer novas soluções em máquinas, equipamentos e produtos voltados ao setor logístico, incluindo o de embalagem – todos pesquisados pela equipe editorial nos mercados nacional e internacional. Alguns deles, internacionais, são de expositores da CeMAT Hannover 2016, importante feira de movimentação de materiais e logística, que acontece de 31 de maio a 3 de junho, em Hannover, na Alemanha.

O tema ganha relevância nessa seção pela sua importância nas atividades industriais; mas não se esgota. Nas próximas edições de NEI você encontrará outras soluções que também podem ajudá-lo a gerenciar melhor seus processos de movimentação, armazenagem e transporte de materiais, entre outros de suma importância nas demais áreas das plantas fabris.

O mercado logístico

Uma pesquisa sobre custos logísticos no Brasil, realizada pela Fundação Dom Cabral, através de seu Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura, mostra o quanto a logística impacta nos negócios. Segundo o estudo, os custos logísticos no Brasil consomem 11,73% da receita das empresas – aumento de 1,8% em relação a 2014 –, revelando alto nível de dependência de rodovias (98%), profissionais qualificados (85%) e máquinas e equipamentos (78%).

Esse custo sofreu crescimento de 30% nas empresas com volume de vendas entre R$ 500 milhões e R$ 1 bilhão. Os principais fatores de impacto no preço final são: custos com transporte, distribuição urbana e armazenagem. Para esse levantamento foram consultadas 142 empresas brasileiras de 22 segmentos industriais, cujo faturamento total equivale a 15% do PIB brasileiro. Para obter mais informações sobre a pesquisa acesse o site da Fundação Dom Cabral: www.fdc.org.br

Sua indústria mais integrada

Planejamento eficiente e gerenciamento eficaz de todos os processos na indústria, da produção à distribuição, ajudam a incrementar a produtividade, a evitar desperdícios e a reduzir custos em toda a cadeia logística, disponibilizando o produto certo, no local programado e no prazo, dentro do planejado com o cliente final.

Considerada uma atividade estratégica nos negócios, a logística vem recebendo atenção especial, principalmente porque os custos logísticos no Brasil consomem 11,73% da receita das empresas, segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Dom Cabral. O tema ganha, inclusive, uma seção na edição de junho/16 da Revista NEI que reúne novas soluções tecnológicas para incrementar suas atividades de armazenagem, movimentação e transporte de materiais. Algumas dessas novidades são de empresas da CeMAT Hannover 2016; uma oportunidade para você conhecer novas tecnologias.

A indústria está vivenciando uma nova revolução nos métodos produtivos, com sistemas cada vez mais integrados e interconectados no chão de fábrica. A Indústria 4.0 ou Manufatura Avançada tem pautado discussões em vários países, e está impondo novos desafios e quebra de paradigma, até para as pequenas indústrias.

Bastante difundida na Alemanha e nos Estados Unidos, a quarta revolução industrial está ganhando espaço por aqui, nas feiras industriais, nos fóruns, seminários e já conta até com um Grupo de Trabalho formado por membros do governo e setor privado. Enquanto se discute toda a regulação necessária, o profissional da indústria precisa conhecer as novas tecnologias, entender as necessidades de seus clientes e, então, se preparar para projetar soluções que promovam maior integração, aumento de produtividade e eficiência.

Muitas máquinas e equipamentos aqui disponibilizados já dispõem de recursos alinhados à Indústria 4.0. Serviços de manutenção realizados em chão de fábrica, por exemplo, permitem transmissão de dados e comunicação com uma central. Trabalhos em zonas classificadas podem ser gerenciados remotamente. Tudo de modo mais integrado. É a nova era, que aos poucos vai mudando hábitos, criando novas necessidades. Sua indústria precisa acompanhar essa evolução. E é o que fazemos diariamente para identificar e levar até você as novidades dos mercados nacional e internacional.

Boas perspectivas

Um novo governo, uma nova equipe econômica e muitos desafios, sobretudo o de se recuperar a confiança do brasileiro, do investidor, do empresário. Alguns estudos divulgados este mês apontam para dias melhores. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), por exemplo, medido pela Confederação Nacional da Indústria – CNI, registrou um crescimento positivo em maio: 4,5 pontos a mais em relação a abril, atingindo 41,3 pontos – a maior alta em 6 anos. O valor do ICEI é o maior em 16 meses, mesmo estando abaixo dos 50 pontos. A forte alta foi puxada, segundo a CNI, pela melhora das expectativas dos industriais, cujo indicador cresceu 5,7 pontos em maio ante abril. O índice de expectativa sobre a economia brasileira teve elevação de 8,6 pontos e o de perspectivas sobre a empresa aumentou 4,1 pontos.

O mês de maio também marcou o superávit de nossa balança comercial, atingindo US$ 1,747 bilhão – resultado das exportações de US$ 4,370 bilhões e US$ 2,622 bilhões das importações. Entre os destaques das exportações estão o crescimento de 13,2% na venda de produtos semimanufaturados e a queda de 3,3% dos produtos básicos.

Uma análise do economista Ricardo Amorim, no artigo “e agora, Temer?”, publicada logo após a aprovação, pelo Senado, do processo de impeachment de Dilma Rousseff, sugere que este novo governo tem todas as condições de colocar o Brasil de volta em uma rota de crescimento econômico, e ainda sinaliza uma recuperação econômica no segundo semestre deste ano, desde que as medidas econômicas discutidas sejam realmente implementadas.

Segundo Amorim, o Brasil está passando por transformações importantes na aplicação da lei, na política e na condução da economia. E que a crise econômica deve ser seguida de uma recuperação mais forte do que a imensa maioria imagina. O futuro do Brasil, afirma Amorim, dependerá de como a sociedade vai se posicionar não apenas durante, mas também passada a tormenta atual. E ainda sugere que o futuro está cheio de oportunidades.Transformá-las em realidade dependerá de cada um de nós. Ricardo Amorim acaba de lançar o livro “Depois da Tempestade”, uma análise do governo do PT e de como o Brasil mergulhou nessa crise. Mas mostrando que a recuperação pode ser mais rápida do que se espera.

Para ler o estudo da CNI, acesse aqui.

Para ler o o artigo de Ricardo Amorim, acesse aqui:

Novas soluções da FEIMEC e MECÂNICA para modernizar seu parque fabril

NEI reúne, na edição de maio/16 da Revista NEI mais de 30 novos produtos que serão apresentados na FEIMEC – Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos, que acontece de 3 a 7 de maio, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, e na 31ª Feira Internacional da MECÂNICA, de 17 a 21 de maio, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. Somados aos produtos da seção “Pré-mecânica industrial”, divulgada em abril, reunimos cerca de 60 novidades, mostrando as mais recentes tecnologias aplicadas a máquinas e equipamentos.

Pela importância dos dois eventos, considerando seu papel na apresentação de novas e modernas tecnologias, NEI dedicou essas duas edições à FEIMEC e à MECÂNICA com o simples objetivo de permitir que você, profissional da indústria, conheça e encontre soluções para melhorar e modernizar seus processos produtivos, além de ajudá-lo a programar sua visita às feiras.

As inovações tecnológicas estão acontecendo rapidamente; basta acompanhar os avanços e desafios proporcionados pela Indústria 4.0. O tema, inclusive, gerou uma grade especial de palestras e apresentações. Na FEIMEC, uma Fábrica Inteligente mostra os princípios da Manufatura Avançada – tema que ganha seminário próprio e acontece em conjunto com o VI Simpósio Internacional de Excelência em Produção, realizado pela VDI em parceria com a Abimaq, e que este ano traz o tema “Indústria 4.0 – Curto, Médio e Longo Prazo”.

Na Feira da MECÂNICA, o vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências e professor titular de engenharia de produção da USP, João Fernando Oliveira, ministrará a palestra “Desafios Industriais: Novos Modelos de Negócio e Sustentabilidade”, colocando em pauta os desafios que a indústria enfrentará nos próximos anos, entre eles, a valorização da venda de serviços e da qualidade e durabilidade dos produtos.

NEI consultou também alguns especialistas para conhecer as tendências do setor de mecânica, e a sustentabilidade apareceu como uma delas. Amauri Hassui, professor doutor da UNICAMP, explica que dentro desse contexto as maiores tendências são análise do ciclo de vida dos produtos e a possibilidade de reciclagem. “A busca é por produtos que apresentam menor impacto ambiental e tenham vida mais longa, por materiais mais fáceis de ser reciclados e por processos que consumam menos insumos (inclusive energia)”, afirma.

O tema Indústria 4.0 mais uma vez é mencionado, e a conectividade dos equipamentos aparece como tendência, como diz Fabio Lima, professor de engenharia de produção do Centro Universitário FEI. Esses novos desafios vão exigir do profissional da indústria, sobretudo do engenheiro, um perfil multidisciplinar para interagir com as várias áreas do conhecimento e se adaptar às novas tecnologias, como prevê Adalto Farias, também professor do Centro Universitário FEI, mas da engenharia mecânica.

Portanto, conhecimento é fundamental nessa nova era, que promete revolucionar os meios produtivos.

 

Incrementando o chão de fábrica

Além de apresentar as mais recentes tecnologias aplicadas a máquinas e equipamentos, e fomentar novos negócios, as megafeiras espelham o comportamento da indústria diante das oscilações da economia. É um bom momento para observar como as empresas estão usando as pressões decorrentes da crise para dela emergir em melhores condições e com novas soluções.

Neste mês, a FEIMEC – Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos, em sua 1ª edição, e a 31ª Feira Internacional da MECÂNICA, ambas voltadas ao setor de mecânica, representam uma dupla oportunidade para que você, profissional da indústria, conheça novas tecnologias, visite espaços dedicados a inovações e também assista a palestras e seminários sobre temas que impactam nos negócios, como Indústria 4.0, impressão 3D e eficiência energética, entre outros. Esses megaeventos são, portanto, um reflexo natural da importância que as máquinas e os equipamentos exercem no desempenho da planta e da própria empresa.

Por isso, a edição de NEI de maio/16 divulga mais notícias de produtos que serão apresentados nas duas feiras, reunidos a partir da página 10 (alguns deles estão na capa), permitindo que você conheça e encontre soluções para melhorar seus processos, aumentar sua produtividade e planejar seus investimentos futuros. Essa amostra é ainda complementada por outros produtos industriais pesquisados por NEI Soluções nos mercados nacional e internacional, distribuídos pela edição.

Conhecimento é uma ferramenta importante para a inovação. E a indústria, para se manter competitiva, precisa também acelerar o desenvolvimento de seu pessoal. As tecnologias renovam-se com grande velocidade, portanto, a necessidade de atualização é permanente na indústria e condição essencial para sua modernização.

Por isso, há mais de 42 anos, NEI acompanha a dinâmica do mercado industrial, pesquisando e produzindo conteúdos que possam ajudar os profissionais que atuam nas mais diversas áreas da indústria a encontrar soluções para suas atividades.

 

Flutrol distribuirá com exclusividade no Brasil as válvulas e conexões Superlok

Especializada em soluções de alta pressão, a Flutrol está expandindo sua oferta de produtos, tornando-se distribuidora oficial, no Brasil, da marca internacional Superlok. Com rastreabilidade total de todos os componentes e intercambiabilidade com produtos de outros fabricantes, as válvulas e conexões Superlok são produzidas sob rígido controle de qualidade, desde a inspeção e especificação de matéria-prima, testes químicos, mecânicos, hidráulicos e pneumáticos até a inspeção final na expedição. .

O lançamento exclusivo para o mercado brasileiro das válvulas e conexões Superlok, pela Flutrol, ocorrerá durante a Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos – FEIMEC, de 3 a 7 de maio, e a 31ª Feira Internacional da MECÂNICA, de 17 a 21 de maio, ambas em São Paulo.

De atuação globalizada, fornecendo para países da Ásia, Oriente Médio, Europa e Américas, a Superlok  é certificada pela ASTM, ASME (tipo N) e DNV GL (antiga Germanischer Lloyd) e coleciona diversas premiações.

Para informações sobre os produtos Superlok, acesse: www.flutrol.com.br/Superlokbrasil