Boas perspectivas

Um novo governo, uma nova equipe econômica e muitos desafios, sobretudo o de se recuperar a confiança do brasileiro, do investidor, do empresário. Alguns estudos divulgados este mês apontam para dias melhores. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), por exemplo, medido pela Confederação Nacional da Indústria – CNI, registrou um crescimento positivo em maio: 4,5 pontos a mais em relação a abril, atingindo 41,3 pontos – a maior alta em 6 anos. O valor do ICEI é o maior em 16 meses, mesmo estando abaixo dos 50 pontos. A forte alta foi puxada, segundo a CNI, pela melhora das expectativas dos industriais, cujo indicador cresceu 5,7 pontos em maio ante abril. O índice de expectativa sobre a economia brasileira teve elevação de 8,6 pontos e o de perspectivas sobre a empresa aumentou 4,1 pontos.

O mês de maio também marcou o superávit de nossa balança comercial, atingindo US$ 1,747 bilhão – resultado das exportações de US$ 4,370 bilhões e US$ 2,622 bilhões das importações. Entre os destaques das exportações estão o crescimento de 13,2% na venda de produtos semimanufaturados e a queda de 3,3% dos produtos básicos.

Uma análise do economista Ricardo Amorim, no artigo “e agora, Temer?”, publicada logo após a aprovação, pelo Senado, do processo de impeachment de Dilma Rousseff, sugere que este novo governo tem todas as condições de colocar o Brasil de volta em uma rota de crescimento econômico, e ainda sinaliza uma recuperação econômica no segundo semestre deste ano, desde que as medidas econômicas discutidas sejam realmente implementadas.

Segundo Amorim, o Brasil está passando por transformações importantes na aplicação da lei, na política e na condução da economia. E que a crise econômica deve ser seguida de uma recuperação mais forte do que a imensa maioria imagina. O futuro do Brasil, afirma Amorim, dependerá de como a sociedade vai se posicionar não apenas durante, mas também passada a tormenta atual. E ainda sugere que o futuro está cheio de oportunidades.Transformá-las em realidade dependerá de cada um de nós. Ricardo Amorim acaba de lançar o livro “Depois da Tempestade”, uma análise do governo do PT e de como o Brasil mergulhou nessa crise. Mas mostrando que a recuperação pode ser mais rápida do que se espera.

Para ler o estudo da CNI, acesse aqui.

Para ler o o artigo de Ricardo Amorim, acesse aqui:

Novas soluções da FEIMEC e MECÂNICA para modernizar seu parque fabril

NEI reúne, na edição de maio/16 da Revista NEI mais de 30 novos produtos que serão apresentados na FEIMEC – Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos, que acontece de 3 a 7 de maio, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, e na 31ª Feira Internacional da MECÂNICA, de 17 a 21 de maio, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. Somados aos produtos da seção “Pré-mecânica industrial”, divulgada em abril, reunimos cerca de 60 novidades, mostrando as mais recentes tecnologias aplicadas a máquinas e equipamentos.

Pela importância dos dois eventos, considerando seu papel na apresentação de novas e modernas tecnologias, NEI dedicou essas duas edições à FEIMEC e à MECÂNICA com o simples objetivo de permitir que você, profissional da indústria, conheça e encontre soluções para melhorar e modernizar seus processos produtivos, além de ajudá-lo a programar sua visita às feiras.

As inovações tecnológicas estão acontecendo rapidamente; basta acompanhar os avanços e desafios proporcionados pela Indústria 4.0. O tema, inclusive, gerou uma grade especial de palestras e apresentações. Na FEIMEC, uma Fábrica Inteligente mostra os princípios da Manufatura Avançada – tema que ganha seminário próprio e acontece em conjunto com o VI Simpósio Internacional de Excelência em Produção, realizado pela VDI em parceria com a Abimaq, e que este ano traz o tema “Indústria 4.0 – Curto, Médio e Longo Prazo”.

Na Feira da MECÂNICA, o vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências e professor titular de engenharia de produção da USP, João Fernando Oliveira, ministrará a palestra “Desafios Industriais: Novos Modelos de Negócio e Sustentabilidade”, colocando em pauta os desafios que a indústria enfrentará nos próximos anos, entre eles, a valorização da venda de serviços e da qualidade e durabilidade dos produtos.

NEI consultou também alguns especialistas para conhecer as tendências do setor de mecânica, e a sustentabilidade apareceu como uma delas. Amauri Hassui, professor doutor da UNICAMP, explica que dentro desse contexto as maiores tendências são análise do ciclo de vida dos produtos e a possibilidade de reciclagem. “A busca é por produtos que apresentam menor impacto ambiental e tenham vida mais longa, por materiais mais fáceis de ser reciclados e por processos que consumam menos insumos (inclusive energia)”, afirma.

O tema Indústria 4.0 mais uma vez é mencionado, e a conectividade dos equipamentos aparece como tendência, como diz Fabio Lima, professor de engenharia de produção do Centro Universitário FEI. Esses novos desafios vão exigir do profissional da indústria, sobretudo do engenheiro, um perfil multidisciplinar para interagir com as várias áreas do conhecimento e se adaptar às novas tecnologias, como prevê Adalto Farias, também professor do Centro Universitário FEI, mas da engenharia mecânica.

Portanto, conhecimento é fundamental nessa nova era, que promete revolucionar os meios produtivos.

 

Incrementando o chão de fábrica

Além de apresentar as mais recentes tecnologias aplicadas a máquinas e equipamentos, e fomentar novos negócios, as megafeiras espelham o comportamento da indústria diante das oscilações da economia. É um bom momento para observar como as empresas estão usando as pressões decorrentes da crise para dela emergir em melhores condições e com novas soluções.

Neste mês, a FEIMEC – Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos, em sua 1ª edição, e a 31ª Feira Internacional da MECÂNICA, ambas voltadas ao setor de mecânica, representam uma dupla oportunidade para que você, profissional da indústria, conheça novas tecnologias, visite espaços dedicados a inovações e também assista a palestras e seminários sobre temas que impactam nos negócios, como Indústria 4.0, impressão 3D e eficiência energética, entre outros. Esses megaeventos são, portanto, um reflexo natural da importância que as máquinas e os equipamentos exercem no desempenho da planta e da própria empresa.

Por isso, a edição de NEI de maio/16 divulga mais notícias de produtos que serão apresentados nas duas feiras, reunidos a partir da página 10 (alguns deles estão na capa), permitindo que você conheça e encontre soluções para melhorar seus processos, aumentar sua produtividade e planejar seus investimentos futuros. Essa amostra é ainda complementada por outros produtos industriais pesquisados por NEI Soluções nos mercados nacional e internacional, distribuídos pela edição.

Conhecimento é uma ferramenta importante para a inovação. E a indústria, para se manter competitiva, precisa também acelerar o desenvolvimento de seu pessoal. As tecnologias renovam-se com grande velocidade, portanto, a necessidade de atualização é permanente na indústria e condição essencial para sua modernização.

Por isso, há mais de 42 anos, NEI acompanha a dinâmica do mercado industrial, pesquisando e produzindo conteúdos que possam ajudar os profissionais que atuam nas mais diversas áreas da indústria a encontrar soluções para suas atividades.

 

Flutrol distribuirá com exclusividade no Brasil as válvulas e conexões Superlok

Especializada em soluções de alta pressão, a Flutrol está expandindo sua oferta de produtos, tornando-se distribuidora oficial, no Brasil, da marca internacional Superlok. Com rastreabilidade total de todos os componentes e intercambiabilidade com produtos de outros fabricantes, as válvulas e conexões Superlok são produzidas sob rígido controle de qualidade, desde a inspeção e especificação de matéria-prima, testes químicos, mecânicos, hidráulicos e pneumáticos até a inspeção final na expedição. .

O lançamento exclusivo para o mercado brasileiro das válvulas e conexões Superlok, pela Flutrol, ocorrerá durante a Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos – FEIMEC, de 3 a 7 de maio, e a 31ª Feira Internacional da MECÂNICA, de 17 a 21 de maio, ambas em São Paulo.

De atuação globalizada, fornecendo para países da Ásia, Oriente Médio, Europa e Américas, a Superlok  é certificada pela ASTM, ASME (tipo N) e DNV GL (antiga Germanischer Lloyd) e coleciona diversas premiações.

Para informações sobre os produtos Superlok, acesse: www.flutrol.com.br/Superlokbrasil

“Coalizão Cidades pela Água” – saiba como sua empresa pode se engajar nesse movimento

Até 20coalizão250, a demanda mundial por água nas indústrias será 55% maior do que a atual. Na agricultura e produção de alimentos, o crescimento previsto é de 60%, segundo a Unesco.  São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, enfrentam a pior crise hídrica de décadas. A demanda mundial pela água vem crescendo cada vez mais, enquanto a sua oferta só diminui. O grande desafio está em equilibrar a equação oferta e demanda, garantindo que a água esteja sempre disponível.

Por isso, o assunto, de tão importante, levou a TNC – The Nature Conservancy –  a maior organização de conservação ambiental do mundo, presente em mais de 35 países –, a  criar a “Coalizão Cidades pela Água”, um movimento que tem como objetivo engajar empresas, pessoas e governos a garantir, juntos, a segurança hídrica para todos. Saiba como sua empresa pode ajudar, acessando tnc.org.br/agua

A Coalizão vai atuar em 12 regiões metropolitanas que já apresentam estresse hídrico e onde as ações de conservação de bacias hidrográficas contribuem positivamente para a segurança hídrica.
Essas regiões representam mais de 35% da população e quase 40% do PIB brasileiro. É um trabalho de conservação e restauração de florestas em 21 bacias hidrográficas que abastecem quase 63 milhões de pessoas em mais de 250 cidades brasileiras.

A infraestrutura verde é vital para ajudar a garantir água para as cidades. Estudos da TNC apontam que a restauração de apenas 3% de floresta em áreas prioritárias dos sistemas Cantareira e Alto Tietê, na região metropolitana, por exemplo, pode reduzir sedimentos de terra e areia dos rios e represas em até 50%.

Antonio Werneck, diretor executivo da TNC Brasil, diz que a Coalizão espera mobilizar o setor privado. “Este precisa entender o risco que está correndo em meio à crise hídrica, o risco físico de não ter água para operar, o risco de seus fornecedores não terem água para produzir, o risco de não ter matéria-prima e ainda o risco dos clientes não terem água para consumir seus produtos. Existe ainda o risco de reputação, de ser vista como uma empresa irresponsável no uso de um recurso que é tão crítico, vital e escasso na sociedade, e o risco financeiro, com fábricas paradas, operando com meia capacidade”, afirma.

O investimento na proteção da natureza é uma das importantes ações que ajudará a garantir a segurança hídrica para uma população cada vez mais concentrada.

Para mais informações, acesse o site da TNC e o da Coalizão Cidades pela Água, cujos links estão abaixo. No site do projeto, você encontra informações detalhadas do movimento, tem à disposição um canal de comunicação, que permite às empresas conhecer como podem participar, e ainda pode assistir a vídeos.

 http://www.cidadespelaagua.com.br/

http://www.tnc.org.br/quem-e-a-tnc/index.htm

Novo canal de vídeos da VONDER destaca lançamentos de produtos

A VONDER – conhecida marca de ferramentas, ferragens, máquinas e equipamentos para uso profissional – apresenta seu novo canal de vídeos no YouTube, destacando o programa “Vonder -  Foco no Produto – O canal das ferramentas”, que mostra os lançamentos e os principais destaques da marca. O lançamento do canal de vídeos ocorre durante a Feicon Batimat 2016 – feira de construção que acontece de 12 a 16 de abril, no Anhembi, em São Paulo.

Além de trazer informações técnicas dos produtos, e suas características, o canal dá dicas de uso para quem vende ou usa ferramentas em suas atividades profissionais.

PaVonderra conhecer o canal, acesse o endereço www.youtube.com.br/vonderferramentas

 

 

FEIMEC oferece e-book gratuito sobre Manufatura Avançada

Tudo o que você precisa saber sobre a 4ª Revolução Industrial e os desafios a serem enfrentados para sua implementação no Brasil está no e-book “Manufatura Avançada”, oferecido gratuitamente no site da FEIMEC – Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos e que traz depoimentos de vários especialistas no assunto.

Para fazer o download gratuito, acesse o endereço http://feimec.com.br/a-voz-da-industria/e-book—manufatura-avancadaFeimec-ebook-manufatura-miniatura2. Basta inserir seu nome, e-mail, cargo e cidade, e selecionar o segmento da empresa e estado. Tudo de forma rápida e simples.

O e-book traz uma definição sobre o que é manufatura avançada, sua relação com as revoluções industriais e seus benefícios para tornar a indústria mais eficiente, flexível e ágil. Além de tratar a manufatura avançada no mundo e no Brasil, apresentando, inclusive, os desafios que precisamos enfrentar para iniciar sua implantação, o documento discute a relação da manufatura avançada com emprego e ainda traz indícios de que a demanda por máquinas-ferramenta no Brasil será enorme, em vista da necessidade de modernização do parque fabril.

Você também encontra no e-book informações sobre linhas de financiamento de incentivo à Manufatura Avançada, oferecidas pelo BNDES, além de ter a oportunidade de saber mais sobre a Fábrica Inteligente, na FEIMEC – um espaço que vai demonstrar de forma exclusiva os princípios da manufatura avançada.

A FEIMEC – que acontece de 3 a 7 de maio, no São Paulo Expo Exhibition Center, em São Paulo – é uma iniciativa da ABIMAQ (Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos), Informa Exhibitions e várias entidades do setor. Para se credenciar, acesse o site da feira.

Novo selo ambiental indica a “pegada de carbono e água” de produtos nacionais

O lançamento de um novo selo permitirá às empresas nacionais demonstrar os benefícios ambientais de seus produtos em comparação aos internacionais graças a um novo sistema de medição e certificação da pegada de carbono e água de produtos.

O sistema será operado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, em particular pela ABNT Certificadora, e foi criado por meio de um processo participativo que envolveu a indústria brasileira e foi guiado pelo Carbon Trust, consultoria de estímulo à economia de baixo carbono com expertise global no tema. A concepção e desenvolvimento do sistema contou com o apoio institucional do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio – MDIC e com financiamento do Prosperity Fund, da Embaixada Britânica, em Brasília.

Organizações que obtiverem a certificação cumprindo os parâmetros definidos nas regras do sistema, e atualizados por um comitê técnico sediado na ABNT, poderão utilizar os novos selos de pegada de carbono e de água da ABNT para comunicar suas ações de medição e redução do impacto ambiental ao longo do ciclo de vida dos seus produtos.

A capacidade de evidenciar o baixo impacto ambiental de produtos brasileiros dará às empresas vantagens competitivas no mercado internacional, sendo que elas tendem a crescer na medida em que as companhias brasileiras as transformarem em vantagens comerciais em um cenário de uma economia de baixo carbono. O sistema também trará vantagens para o mercado doméstico, permitindo que as empresas demonstrem suas vantagens em relação aos importados.

O projeto piloto, coordenado pelo MDIC, ABNT e Carbon Trust, envolveu empresas dos setores de alumínio, vidro, aço, cimento, químicos e tecidos, totalizando nove categorias de produtos e 16 subprodutos. Dentre estas, estão Braskem, CSN, Saint-Gobain, Arcelor Mittal, Votorantim, Novelis, BR Goods e EDB Polióis Vegetais do Brasil.

Fábrica da Hyundai-Rotem é inaugurada em Araraquara

A fábrica de trens e composições ferroviárias Hyundai-Rotem Brasil, ligada ao Grupo Hyundai Motors, inaugura sua unidade em Araraquara (SP) – a primeira planta da multinacional sul-coreana instalada no país. O investimento foi de R$ 100 milhões e estima gerar 300 novos empregos.

Com capacidade de produção de 200 carros/ano, o complexo já está com sua linha de montagem ativa. Foi erguido em uma área total de 150 mil m²,  sendo 21 mil m² de área construída.

A Hyundai Rotem Brasil já está produzindo 30 trens modernos, com 8 carros cada, para a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). A previsão é de que comecem a circular ainda em 2016. A empresa também está produzindo trens e composições ferroviárias para o transporte público de Salvador (BA).

BNDES faz chamada pública para estudo sobre IoT

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES aprovou uma Chamada Pública que selecionará propostas para a realização de um amplo estudo técnico de diagnóstico e sugestão de políticas públicas no tema Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês).

O estudo, realizado a partir de uma parceria entre o BNDES e o Ministério das Comunicações, será o mais abrangente já realizado no Brasil sobre o tema. Ele deverá estimular a cooperação e articulação entre empresas, poder público, universidades e centros de pesquisa e será apoiado com recursos não reembolsáveis do Fundo de Estruturação de Projetos do BNDES, constituído com parcela dos lucros do Banco.

O estudo também avaliará o estágio e as perspectivas de implantação da IoT no mundo e no país. Com base nisso, deverá propor políticas públicas que potencializem tanto os benefícios para a sociedade brasileira, quanto impactos econômicos, tecnológicos e produtivos.

Como produto final, será entregue um plano de ação, com cronograma para cinco anos (2017 a 2022), que aponte objetivos, metas e ações a serem empreendidas. O plano deve ser referência para iniciativas concretas para acelerar a implantação de soluções em IoT em áreas que o estudo virá a selecionar, apontando as questões mais relevantes – tecnológicas, regulatórias e institucionais – a serem superadas.

Para mais detalhes sobre a chamada pública, a assessoria de imprensa do banco sugere que acesse o link: http://goo.gl/nmko8s