Arquivo

Arquivo da Categoria ‘Feiras & Eventos’

Abimaq realizará três feiras a partir de 2016

Vem aí a Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos – Feimec, a Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Automação Industrial – Expomafe e a Feira Internacional do Plástico e da Borracha – Plástico Brasil, os novos eventos da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq, que ocorrerão no São Paulo Expo. A entidade escolheu a BTS Informa, empresa integrante do Informa Group, como parceira na realização dessas feiras. Em maio de 2016 será realizada a primeira edição do evento do setor metalmecânico e em 2017, de máquinas-ferramenta e do plástico.

“Há décadas a Abimaq sonha com suas próprias feiras”, celebrou Carlos Pastoriza, presidente do Conselho de Administração da associação. “Estamos deixando de ser clientes para ser organizadores, com total controle para traçar estratégias em defesa dos setores”, completou José Velloso, presidente executivo da entidade.

As vantagens para as empresas associadas, de acordo com Velloso, são várias, entre elas: melhor infraestrutura do pavilhão, redução dos custos de montagem, força da entidade, condições especiais de financiamento durante os eventos, alianças com órgãos governamentais e institucionais e ações do projeto Abimaq-Apex.

Com a iniciativa, a associação deixa de apoiar, a partir de 2016, a Mecânica, a Feimafe e a Feiplastic.


Novas soluções tecnológicas para processos produtivos

Nesta seção, estão reunidas as novidades em máquinas, equipamentos e sistemas que serão apresentadas na Feira Internacional de Máquinas Ferramenta e Sistemas Integrados de Manufatura – Feimafe 2015, que acontece em maio, em São Paulo. Com os lançamentos antecipados na edição de abril, você tem a oportunidade de conhecer 117 soluções que serão apresentadas na mais expressiva feira de máquinas-ferramenta da América Latina. Por meio da Revista NEI, é possível se inteirar das tendências do setor metalmecânico, organizar sua visita à feira e proporcionar até mesmo àqueles que não puderem comparecer ao evento conhecer os novos produtos da área.

Para agregar ainda mais conhecimento, além de agrupar na edição notícias de novos produtos do setor de máquinas-ferramenta, a equipe de reportagem de NEI conversou com especialistas de processos produtivos para apresentar nesta abertura as tecnologias do setor que ganham importância na indústria atualmente.

Segundo o prof. Rodrigo Lima Stoeterau, do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo – USP, são elas: máquinas para usinagem por jato d´água com cinco eixos; tornos CNC com árvores indexados e ferramentas ativas para operações de torno-fresamento e torno brochamento; tornos de múltiplos cabeçotes; tornos automáticos CNC; e o uso cada vez mais amplo de robôs em operações de usinagem, principalmente na retificação de superacabamentos em geometrias complexas, como as encontradas em moldes e matrizes. Outro ponto destacado por ele é a integração da usinagem tanto convencional, com ênfase no fresamento, quanto a Laser com processos de soldagem,  tratamento térmico e estruturação superficial com Laser em uma única estação de trabalho.

“O desenvolvimento e a integração de ferramentas ativas para retificação em tornos e fresadoras também têm se mostrado uma tendência”, acrescentou Stoeterau. “Isso deve ser associado a máquinas rígidas com elevada exatidão de posicionamento, o que permite a usinagem completa em materiais de alta dureza e cerâmicas vítreas com requisitos ópticos. A integração do processo de retificação de máquinas, como tornos e fresadoras CNC, permite que sejam substituídas as retificadoras clássicas, dando maior flexibilidade às máquinas, geração de formas e produção.”

Para acrescentar, Durval Uchôas Braga, engenheiro mecânico e professor doutor da Universidade Federal de São João del-Rei, citou a usinagem nanométrica de materiais no estado endurecido e com altas velocidades de corte. Soma-se a essas novidades a preocupação com a redução do consumo de água e energia nas máquinas, que, além de colaborar com o meio ambiente, resulta em economia de custos.

Stoeterau informou que os grandes centros de pesquisas na Europa, em especial o WZL RWTH Aachen, o Fraunhofer-Institut für Produktionstechnologie IPT, o Fraunhofer-Instituts für Produktionsanlagen und Konstruktionstechnik IPK e o ETH Zürich – IWF têm se mostrado bastante ativos no desenvolvimento de máquinas-ferramenta para as necessidades futuras da indústria. Para ele, uma novidade que chama a atenção é a simulação total de máquinas-ferramenta, desde tempos e movimentos de fabricação até previsão de vida da ferramenta e de danos de superfícies nas peças, tudo integrado em um único pacote. A simulação total da usinagem permite a integração em ambiente de Fábrica 4.0 ou Fábricas Digitais.

O professor da USP acrescentou que as incertezas na política e economia brasileira – devidas também à estagnação do setor petrolífero, alta do dólar e recessão – podem tornar a importação de bens de capital menos atrativa ao empresário nacional. “Resta saber se os fabricantes nacionais terão estímulo e capacidade para suprir o mercado com máquinas tecnologicamente modernas”, alertou.

Bens de capital mecânicos

Em fevereiro, o faturamento bruto da indústria brasileira de máquinas e equipamentos foi de R$ 6 bilhões, aumento de 6,5% sobre o mês anterior. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, foi 7,3% maior. No bimestre, em relação a 2014, o crescimento foi de 5,4%. Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq.

O resultado das exportações de fevereiro de US$ 791 milhões foi 0,9% maior que o registrado em janeiro. Comparando com o mesmo mês do ano anterior, caíram 24,5%. No bimestre, em relação ao mesmo período de 2014, despencaram 27,7%. Mas, mesmo com o resultado acumulado abaixo de 2014, as exportações mantiveram participação elevada (37%) no total das vendas, acima da média histórica de 32%. Quanto às importações, em fevereiro somaram US$ 1,824 bilhão. No mês, a queda foi de 30,3%.

Específico sobre a indústria de máquinas-ferramenta, o faturamento nominal de fevereiro de 2015 foi de R$ 128 milhões, contra R$ 104 milhões do mesmo mês de 2014. O faturamento nominal de 2014 foi de mais de R$ 688 milhões; as exportações, de R$ 427 milhões; as importações, de R$ 2,5 bilhões, e o consumo aparente; de R$ 2,7 bilhões.

José Velloso, presidente executivo da Abimaq, ressaltou que, apesar de todos os desafios impostos pelo atual cenário econômico no Brasil, o momento é propício para exportações devido a fatores como a retomada de crescimento dos Estados Unidos e da União Europeia e ao câmbio mais favorável, que pode levar ao aumento da competitividade de alguns setores. Além disso, há previsão de crescimento para alguns países prioritários do programa Brazil Machinery Solutions – BMS, como Chile, Colômbia, Peru, México e EUA. O BMS é uma parceria entre a Abimaq e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – Apex Brasil que visa à promoção das exportações brasileiras de máquinas e equipamentos. Em março, foi lançada a Campanha Esforço Exportador 2015, uma iniciativa da BMS.

Velloso concluiu que, como a retomada do mercado interno deve demorar a acontecer, devido às incertezas da economia local e mundial, as empresas devem se preparar o quanto antes para o mercado externo.


Por que modernizar o parque fabril?

A idade média dos equipamentos e instalações nas empresas brasileiras é de 17 anos, aponta o último estudo da manutenção no Brasil realizado pela Associação Brasileira de Manutenção e Gestão de Ativos – Abraman. Equipamentos e máquinas com essa idade são considerados de 30 a 40% menos eficientes e consomem geralmente mais energia, prejudicando a melhoria de produtividade e de eficiência energética. O alerta, feito pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq, reforça a importância da modernização do parque industrial, principalmente no momento em que as questões energética e hídrica impõem novos desafios e a adoção de soluções tecnológicas mais eficazes que façam uso inteligente dos recursos naturais.

Para apoiá-lo a encontrar soluções que colaborem para a melhoria dos processos produtivos, reunimos nesta edição 75 lançamentos que serão apresentados na Feimafe 2015 – Feira Internacional de Máquinas ferramenta e Sistemas Integrados de Manufatura, que acontece em São Paulo, neste mês. Com a edição de abril de NEI, totalizam mais de 110 novas soluções, pesquisadas antecipadamente pela equipe editorial junto aos expositores. É uma oportunidade de conhecer novas máquinas e equipamentos e linhas recém-aprimoradas pelos fabricantes. Além dos produtos da Feimafe 2015, há lançamentos dos mercados internacional e nacional.

Neste mês também trazemos a opinião de especialistas sobre as tecnologias em destaque na indústria metalmecânica. A simulação total de operação de máquinas-ferramenta e sua integração em ambiente de fábrica 4.0 são avanços atuais de grandes centros de pesquisa na Europa, como nos informa o professor Stoeterau, da Poli, USP. E, mais uma vez, a preocupação com a redução do consumo de água e energia nas máquinas também foi apontada como tema relevante para reduzir os custos na indústria, como destacou o professor Durval Braga, da Universidade Federal de São João del-Rei.

Na próxima edição de NEI, os temas Água e Energia ganharão uma seção especial, reunindo soluções em máquinas e equipamentos que contribuem direta ou indiretamente para o uso eficiente desses recursos naturais. Estamos atentos a tudo o que tem acontecido no mercado industrial, por isso podemos ajudar sua empresa a encontrar soluções inteligentes que preparem melhor a indústria para o futuro.


Muito precisa ser feito para a Indústria 4.0 ser habitual, dizem especialistas na Hannover Messe 2015

“A Indústria 4.0 permanece como o centro das atenções, com as empresas buscando, de alguma forma, se inserir nessa tecnologia. Mas esse é um objetivo a ser alcançado, e ainda um pouco distante da realidade. Na Alemanha, os empresários entendem que muito investimento de capital e tempo será necessário para que essa nova indústria transforme-se em realidade.” Esse comentário foi feito pelo editor técnico da Revista NEI, Roberto Guazzelli, após participar de eventos sobre o tema na Hannover Messe, realizada de 13 a 17 de abril, na Alemanha.  

 

hm15-41_image_gallery_desktop

 

hm15-62_image_gallery_desktop

 

 

 

 

 

 

 

hm15-60_image_gallery_desktop

hm15-55_image_gallery_desktop (1)

 

 

 

 

 

 

 

Percorrendo os corredores da feira, Guazzelli se surpreendeu com os robôs colaborativos, que se mostram muito mais próximos e imediatamente aplicáveis na indústria. “Praticamente todos os grandes fabricantes de robôs já oferecem sua versão de robô colaborativo, cada uma extremamente versátil e apresentada como uma tecnologia acessível para empresas de qualquer porte”, comentou.

Segundo o editor, foram vários estandes que exibiram o uso desses robôs em atividades antes exclusivas de “seres humanos”, seja ajudando na montagem de componentes, ou selecionando componentes. “Na verdade, essas máquinas são  responsáveis agora por executar tarefas repetitivas, perigosas ou de extrema precisão; ninguém ainda os enxerga como substitutos do homem, mas parece que o ‘pontapé inicial’ já foi dado”, contou Guazzelli. “Estamos, de fato, sendo testemunhas de uma modernidade que vai mudar profundamente nossas estruturas produtivas e cujos desdobramentos, a médio e longo prazo, vão definir os contornos de uma nova sociedade.”


Igus finaliza tour de carro com buchas plásticas na Hannover Messe 2015, que percorreu mais de 100 mil km pelo mundo

Informa a Igus, expositora da Hannover Messe, feira que ocorreu até hoje na Alemanha, que nenhuma das 56 buchas de plástico de engenharia (polímero, fibras e lubrificantes sólidos), que substituíram as metálicas, do seu carro compacto que percorreu mais de 100 mil km precisou ser trocada ou desgastou. Resistiram bem a todas as condições enfrentadas, como asfalto, areia, poeira, sujeira, calor, neve, chuva, neblina, no Iglidur on tour, que começou em fevereiro de 2014, na Índia, e percorreu 30 países, em 14 meses. Para finalizar a aventura, partes do carro foram desmontadas no estante da Igus na feira alemã para mostrar ao público o resultado das buchas após o longo teste, permanecendo exposto durante todos os dias do evento.

FB_IMG_1429289584412 (2)

As buchas foram aplicadas no ajuste do banco, pedal de freio, câmbio, freio de mão, regulador da janela, articulação do teto conversível, limpador de para-brisa, válvula do acelerador e alternador. Tudo passou por inspeção técnica do TÜV Rheinland Group. Segundo a Igus, essas peças oferecem 25% de economia financeira em relação aos demais produtos, vida útil de 50 a 70% maior e sete vezes mais leveza, podendo alcançar 315ºC. Além disso, informou que os plásticos de engenharia utilizados permitem reciclagem e reforçou que peças plásticas consomem menos energia para sua produção. Estudantes da Universidade de Ciências Aplicadas de Colônia participaram do projeto.

FB_IMG_1429289637337 (2)

Durante a jornada, o motorista e a equipe de vendas regional chegavam de carro (com suporte de um furgão) a empresas pré-selecionadas com o objetivo de mostrar as peças plásticas e comentar suas características técnicas, que, além da automobilística, podem ser usadas em outras indústrias, como a de máquinas e alimentos. No Brasil, o carro percorreu 6 mil km em aproximadamente um mês. Ao todo foram centenas de clientes visitados. Em 15 de outubro o carro retornou à matriz da Igus em Colônia para fazer parte da comemoração dos 50 anos da empresa.

Essa jornada foi uma comemoração dos 30 anos da Iglidur, divisão de buchas da Igus. Tratou-se da primeira experiência desse tipo realizada pela companhia. Saiba mais, clique aqui.


Brasileiros prontos para a Hannover Messe, que começa hoje

De hoje até 17 de abril será realizada a Hannover Messe, feira alemã que é a principal exibição de novas tecnologias industriais do mundo, desta vez com o tema “Indústria Integrada – Faça parte da Rede!”. Visando impulsionar as exportações em momento favorável de alta da moeda norte-americana, empresas e entidades brasileiras participam do evento, como: Kels, Varixx, Embrasul, Interguest Brazil, KitFrame, Confederação Nacional da Indústria – CNI, que organizou a Missão Internacional com representantes de indústrias brasileiras; e a Indel Bauru, expositora desde 2001.

Segundo Thiago Francisco Xavier, representante do marketing da Indel Bauru, o que os motiva a continuar como expositores, além dos bons resultados conquistados nas edições anteriores, é receber os clientes frequentadores dessa feira e dos novos interessados nos produtos. Clique aqui para conhecer a novidade que a Indel Bauru lança no evento.

hannover1Organizada pela Deutsche Messe AG, neste ano tem a Índia como país parceiro, representado por cerca de 130 expositores, sendo dividida em dez feiras. São elas: Automação Industrial, Motion, Drive & Automation – MDA, Energia, Energia Eólica, MobiliTec, Fábrica Digital, ComVac, Suprimentos Industriais, Tecnologia de Superfície e Pesquisa & Tecnologia.

 

hannover3

O evento dará forte ênfase aos temas: Indústria 4.0, Automação Industrial e TI, Transmissão de Força e Energia Fluida, Energia e Tecnologias Ambientais, Subcontratação Industrial, Engenharia de Produção e Serviços e Pesquisa e Desenvolvimento. Na ocasião, os participantes visualizam plantas de produção digitalmente conectadas, novos processos de produção, soluções de automação baseadas em TI que trazem mudanças para os processos organizacionais dentro das fábricas e robôs da nova geração, como os colaborativos que trabalham com os humanos sem barreiras de segurança.

 

Hannover5 hannover7

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

hannover4Parte integrante da Hannover Messe, o Hermes Award foi entregue ontem na cerimônia de abertura da feira. Concorreram empresas com tecnologias inovadoras e a vencedora foi a Wittenstein AG, da Alemanha, com um novo tipo de redutor, batizado de Galaxie e  caracterizado pela conectividade da Indústria 4.0 para uso em máquinas-ferramenta, robôs, turbinas eólicas e máquinas têxteis. A organizadora recebeu inscrições de cerca de 70 empresas, de 10 países, e selecionou as cinco finalistas alemãs: ABB, ContiTech, Next Kraftwerke, Schunk e Wittenstein, sendo que três produtos são importantes contribuições para a Indústria 4.0 e os demais colaboram para um sistema energético mais sustentável.

“Todas as tecnologias em exibição em cada área temática têm uma coisa em comum: são projetadas para estimular a produtividade e, assim, a competitividade dos fabricantes”, afirmou Marc Siemering, vice-presidente sênior da Deutsche Messe.

O editor técnico de NEI, Roberto Guazzelli, participa do evento e trará novidades que serão publicadas nas próximas edições da Revista e no NEI.com.br. Contudo, alguns lançamentos você já confere na Revista NEI deste mês e no NEI.com.br.


Brasileiros apostam na feira alemã para impulsionar exportações

Nesta época de alta da moeda norte-americana, as indústrias nacionais visam às vendas no mercado externo. Assim, a Indel Bauru, localizada em Bauru-SP, expositora da Hannover Messe desde 2001, se prepara para mais uma participação na feira que é o mostruário industrial do mundo e que em 2015 será realizada de 13 a 17 de abril. Segundo Thiago Francisco Xavier, representante do marketing da companhia, é importante para uma empresa brasileira estar na Hannover porque esse é um dos mais importantes eventos de tecnologia industrial do mundo. “Serve de vitrine para nós e outras  nacionais que buscam ampliar a visibilidade no mercado internacional”, comentou Xavier.

O que os motiva a continuar como expositores do evento alemão, além dos bons resultados conquistados nas edições anteriores, é receber a visita dos clientes frequentadores dessa feira, para avaliar a satisfação, descobrir oportunidades de melhoria, estreitar as relações comerciais e fortalecer a marca; e dos novos interessados nos produtos, seja para representações, vendas diretas ou demais parcerias, com foco principal na Ásia, África e Oceania.

“Em 2001 estávamos começando a exportar, então havia interesse em descobrir mercados e conquistar clientes”, disse Xavier. “Optamos por expor em feiras internacionais e a Hannover Messe foi uma das escolhidas, por sua importância e visibilidade. As exposições nessa feira alemã trouxeram bons resultados, lá surgiram pessoas interessadas em nossos produtos, as quais continuaram com negociações após a feira – de países como Nova Zelândia, Espanha, África do Sul, Arábia Saudita e Sri Lanka –, que terminaram em vendas.” As primeiras exportações da Indel Bauru foram de seus principais produtos, os elos fusíveis, que hoje são vendidos principalmente para Estados Unidos, Argentina, Taiwan, Uruguai, Indonésia, Filipinas, Paraguai, Espanha e África do Sul.

A empresa aproveitará a Hannover Messe 2015 para lançar o terminal conector rosca, conformado a frio com cobre monolítico estanhado, utilizado por instaladores na conexão de cabos de cobre e alumínio de 10 a 240 mm2 em diversos contatos elétricos; mas o grande destaque serão os elos fusíveis para proteção de redes de distribuição de energia elétrica, principalmente transformadores de energia. Como um dos diferenciais técnicos do terminal conector rosca, a companhia informou a fixação do terminal com parafuso de aço inoxidável que dispensa o uso de ferramentas pesadas, pois ocorre pelo aperto do parafuso, que se quebra quando atinge o torque ideal, sem provocar danos na estanhagem ou fissuras no conector. “Pretendemos expor a novidade para avaliar o interesse do mercado, visualizar possibilidades de aplicação, discutir questões técnicas e refinar o desenvolvimento do produto”, comentou Xavier. “Após a feira, vamos avaliar o impacto para decidir se vamos exportá-lo.”

A notícia técnica sobre os elos fusíveis da Indel Bauru, assim como demais produtos de outras marcas apresentados na Hannover Messe 2015, você confere antecipadamente nesta seção. E isso é apenas uma prévia, pois outros produtos desse megaevento você encontrará nos próximos meses no NEI.com.br.

A Confederação Nacional da Indústria – CNI colabora para alavancar as exportações brasileiras com a organização da Missão Internacional à Hannover Messe, com atuação de federações e sindicatos para mobilizar as indústrias. Em média, forma-se um grupo de 100 visitantes por ano. Haverá suporte com estande de apoio aos processos de internacionalização, organização de visitas técnicas em indústrias na Alemanha e acompanhamento de técnico especialista na área industrial. Para os organizadores, o principal retorno dos empresários participantes é o acesso à informação e à inovação que possam gerar oportunidades para a indústria brasileira e incrementar a competitividade.

Neste ano, Hannover Messe terá a Índia como país parceiro, representado por cerca de 130 expositores, e será dividida em dez feiras. São elas: Automação Industrial, Motion, Drive & Automation – MDA, Energia, Energia Eólica, MobiliTec, Fábrica Digital, ComVac, Suprimentos Industriais, Tecnologia de Superfície e Pesquisa & Tecnologia. O evento dará forte ênfase aos temas: Indústria 4.0, Automação Industrial e TI, Transmissão de Força e Energia Fluida, Energia e Tecnologias Ambientais, Subcontratação Industrial, Engenharia de Produção e Serviços e Pesquisa e Desenvolvimento.

 


Empresários e trabalhadores se unem para fortalecer a indústria de transformação

Na abertura do lançamento da Coalizão Indústria – Trabalho para a Competitividade e o Desenvolvimento, realizado nesta semana, no Anhembi, em São Paulo-SP, Carlos Pastoriza, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq, discorreu: “Este não é um movimento de oposição a quem quer que seja e não é partidário. É um grande grito de alerta à sociedade e ao governo, um grito de alerta para essa destruição da pátria”.

Reunindo cerca de duas mil pessoas, incluindo 42 entidades patronais da indústria da transformação de segmentos diversos e quatro centrais sindicais de trabalhadores, o movimento apresentou o manifesto “Em Defesa da Indústria e do Emprego”. O objetivo foi discutir propostas que viabilizem a retomada da competitividade da indústria nacional.

Ubiraci Dantas de Oliveira, presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil – CGTB, destacou que “a desnacionalização e a desindustrialização aumentam a cada dia e que a política atual está matando a indústria e os empregos”. O empresário Jorge Gerdau, representante do Instituto Aço Brasil, acrescentou: “Somando juros, impostos e esse câmbio, o resultado é a morte da indústria de transformação”.

Cientes das dificuldades do governo de continuar a política de desoneração nesse momento, sem prejuízo das necessárias reformas institucionais, os membros da organização da coalizão acreditam que, mesmo sem renúncias fiscais sensíveis, seja possível reverter expectativas com uma agenda baseada em ações de curto e médio prazo que objetivem: câmbio competitivo, juros em padrões internacionais e sistema tributário/sem cumulatividade de impostos.


Feimafe 2015: conheça antecipadamente mais de 40 lançamentos do evento

Esta seção especial apresenta alguns dos lançamentos que serão destaque na 15ª Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Sistemas Integrados de Manufatura – Feimafe 2015, que acontece de 18 a 23 de maio no Anhembi, em São Paulo, SP, considerada a mais completa feira do segmento na América Latina. A próxima edição da Revista NEI e aqui, no NEI.com.br, também terá outros lançamentos da Feimafe, compondo uma série de soluções que podem contribuir para a modernização do parque fabril.

Para conhecer o principal avanço tecnológico na área de máquinas-ferramenta, a equipe de reportagem de NEI Soluções conversou com especialistas de processos produtivos. Adalto de Farias, mestre em engenharia mecânica, especialista em processos de produção e máquinas-ferramenta e professor do Centro Universitário da FEI, apontou o surgimento recente das máquinas multitarefas híbridas, conceito que será encontrado na Feimafe.

O termo híbrido, nessa situação, se refere à união de avançadas tecnologias da manufatura não subtrativa – isto é, sem remoção de material, o que é o oposto da usinagem –, em uma máquina-ferramenta CNC de usinagem, informou Farias.

“Os fabricantes de máquinas já enxergaram as possibilidades dessa tecnologia associada à usinagem convencional”, destacou o docente. “Trata-se de sistema de adição de material por fusão, chamado de Sinterização Seletiva por Laser, que faz a deposição consecutiva de pequenas camadas de material, praticamente na geometria final da peça. É similar à tecnologia utilizada nas máquinas para a fabricação de peças e protótipos rápidos com polímeros, porém esse é um caso mais recente, cujo trabalho é realizado com ligas metálicas. Para polímeros, já se tem um bom domínio, mas para metais ainda há bastante para ser desenvolvido.”

Como exemplo, Farias comentou a produção de peças extremamente técnicas que exigem resistências mecânicas diferenciadas ao longo dos perfis, como pontas de eixo, colos para rolamentos e colos de retentores em eixos. “Durante a usinagem, um módulo/cabeçote/ferramenta da máquina entra no eixo árvore e modifica a superfície depositando com Laser pó metálico de material com resistência mecânica diferente do metal-base. Logo após, a região pode ser usinada com uma ferramenta convencional”, disse. Outra utilização citada pelo professor é no reparo de lâminas de turbinas da indústria aeroespacial, peças de fabricação extremamente caras.

“Infelizmente ainda desconheço grandes estudos no Brasil”, destacou o professor. “O que vemos bastante é a expansão do comércio de máquinas de prototipagem de polímeros de pequeno porte, mas nada similar a uma
máquina com conceitos híbridos.”

Ainda nesse contexto de máquinas híbridas, mais uma novidade é a união de outra tecnologia de ponta: a solda por atrito linear (Friction Stir Welding – FSW), solda sem adição de material, que pode ser executada em centros de usinagem com as devidas adaptações.

Segundo o docente, a grande vantagem é unir duas ou mais peças de geometrias simples para gerar uma complexa – por exemplo, elemento da estrutura da asa de avião e longarina de carro ou caminhão –, por meio da usinagem, uma vez que o processo FSW pode ser um resíduo de material a ser removido.

“Trabalhei com a adaptação de um centro de usinagem convencional para tornar o processo mais acessível e simples de ser executado, já que esse tipo de máquina é especial, o que significa alto custo e aplicação limitada. E acredite, foi realmente um desafio”, contou Farias.

Movimentação do mercado

O ano começou com a desvalorização do real frente ao dólar, encarecendo as importações, estimulando as exportações e abrindo espaço para a substituição por nacionais. E essa é a grande aposta de Henry Goffaux, presidente da Câmara Setorial de Máquinas-Ferramenta e Sistemas Integrados de Manufatura da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq para o fortalecimento do segmento de máquinas e equipamentos e um dos principais estímulos para a competitividade do País. Além de crer no movimento interno aquecido pela atualização do parque industrial. “Acredito, sim, na substituição de máquinas mais velhas, por meio de planos como o nosso Modermaq, isso pode ser um impulso importante para alcançarmos novamente a produtividade”, disse Goffaux. “O Modermaq é uma modalidade do Finame que permite financiamento de até 90%.

Para auxiliar o setor, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES amplia as alternativas de financiamento para a compra de bens de capital de fabricação nacional. O banco passa a adotar uma nova taxa de juros fixa, a valores de mercado, para complementar os financiamentos no âmbito do Programa de Sustentação do Investimento – PSI, cujo limite é de 50% (grande empresa) e de 70% do valor do bem (para empresas de porte menor). O cliente, entretanto, pode financiar até 90% do valor, complementando a taxa do PSI com taxas de mercado. A novidade é que o BNDES oferece aos clientes a opção de cobrir a parcela que exceder os 50% ou 70% também com uma taxa fixa, a custo de mercado.

O novo instrumento já está disponível, sendo adotado inicialmente para a aquisição de ônibus, caminhões e para o BNDES Procaminhoneiro. Na segunda etapa, o benefício será ampliado para o financiamento dos demais bens de capital financiados pelo BNDES PSI.

A indústria brasileira de bens de capital mecânicos fechou 2014 com faturamento real de R$ 71,2 bilhões, consumo aparente de R$ 108,2 bilhões, faturamento interno de R$ 39,5, exportações de US$ 13,4 bilhões (aumento de 7,4% em relação ao ano passado, impulsionado pelos Estados Unidos), importações de US$ 28,7 (queda de 12,1% em relação a 2013) e mais de 242 mil trabalhadores. Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq.


Soluções para reduzir custos

Esta edição da Revista NEI apresenta as novidades em produtos de duas grandes feiras industriais: a Feimafe 2015, a mais importante da América Latina em máquinas-ferramenta, que acontece em maio, em São Paulo, e que estamos antecipando nessa edição; e a Hannover Messe, da Alemanha, que ocorre este mês, considerada a maior e mais expressiva feira industrial do mundo, focada em soluções para as fábricas inteligentes e energias renováveis.

As seleções de novos produtos desses dois megaeventos, pesquisados pela equipe editorial de NEI Soluções, têm como objetivo levar até você soluções que contribuem para a melhoria de processos e, consequentemente, a modernização do parque fabril, principalmente num momento crítico para a indústria, em que a redução de custos – grande parte proporcionada pela introdução de novas tecnologias – é prioridade número 1.

iconeA adoção de novas máquinas e equipamentos com certeza incrementa toda a atividade produtiva. O momento exige maior eficiência das empresas e também maior responsabilidade ambiental. As crises hídrica e energética atuais, por exemplo, requerem soluções urgentes para uso eficiente da água e energia. A indústria responde por cerca de 43% do consumo de energia elétrica e já está pagando taxas altíssimas pelo seu uso. Economizar é uma medida urgentíssima! Para ajudar a indústria a encontrar produtos que colaborem direta ou indiretamente para a economia desses recursos, vamos identificar com um ícone, a partir dessa edição, máquinas e equipamentos que possuem tecnologias voltadas para esse fim. Serão identificados apenas os produtos divulgados no espaço editorial e selecionados pelos editores de NEI.
icone

icone

A indústria está preocupada em produzir melhor, com menor custo e de modo mais eficiente e responsável. O momento é de ajuste e requer de cada empresa empenho para rever processos e investir em soluções que proporcionem melhoria contínua de processos, a curto, médio ou longo prazo.

Precisamos, juntos, buscar soluções. Compartilhe conosco o que sua empresa está fazendo para economizar água e energia. Que medidas e novas tecnologias está adotando para o uso eficiente desses recursos? Os cases recebidos serão avaliados pelos editores de NEI e poderão ser divulgados aqui, no blog.nei.com.br, ajudando outras indústrias a superar mais esses desafios. Envie sua sugestão pelo e-mail editornei@nei.com.br.