Arquivo

Textos com Etiquetas ‘braskem’

Feiplastic 2017: cadeia do plástico se reúne em abril, no Expo Center Norte/SP

Uma das principais feiras do setor de plástico, a Feiplastic 2017 – Feira Internacional do Plástico acontece de 4 a 7 de abril de 2017, no Expo Center Norte, em São Paulo, SP.  O evento tem como propósito apresentar as mais recentes tecnologias da cadeia do plástico e as tendências do setor, contribuindo para o networking e a geração de negócios.

Uma das empresas expositoras do evento é a Braskem, maior petroquímica das Américas e líder mundial na produção de biopolímeros. Assista ao depoimento de Luciano Guidolin, vice-presidente de Poliolefinas, Comperj e Renováveis da Braskem:

A Feiplastic 2017 estima receber 70 mil visitantes e reunir 1.400 marcas nacionais e internacionais numa área de 85 mil m². O evento vai contar com um espaço dedicado à troca de experiência e atualização profissional, a Ilha do Conhecimento, onde os expositores farão apresentações, expondo novas tecnologias. Entre os setores presentes estão: Produtos Básicos e Matérias-Primas; Máquinas, Equipamentos e Acessórios; Moldes e Ferramentas; Transformadores de Plástico; Resinas Sintéticas; Instrumentação, Controle e Automação; Serviços e Projetos Técnicos; e Reciclagem.

Assista ao vídeo de apresentação da Feiplastic:

Para se credenciar, acesse aqui.

Para acompanhar as notícias sobre a Feiplastic 2017, acesse aqui.

 


Braskem aguarda aprovação para finalizar compra da Solvay Indupa

A Braskem assina acordo com o grupo Solvay para a aquisição de 70,59% do capital votante e total da Solvay Indupa S.A.I.C no valor de US$ 290 milhões. A conclusão depende da prévia aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Concretizada a compra, a Braskem contará com capacidade de produção total de 1,25 milhão de toneladas de PVC e de 890 mil toneladas de soda anuais.

A Solvay Indupa é produtora de PVC e soda, detentora de uma unidade industrial no Brasil e outra na Argentina. Criada em 1948, a Solvay Indupa tem capacidade de produção de 540 mil toneladas de PVC e 350 mil toneladas de soda.

 


Categories: Oportunidades Tags: , , ,

PE de baixa densidade de fonte renovável será usado em 100% das embalagens da Tetra Pak no País

A Tetra Pak faz acordo com a Braskem para o fornecimento de polietileno de baixa densidade – LDPE, chamado I’m green, feito a partir da cana-de-açúcar. Em 2014, a empresa pretende usar o “plástico verde” como componente das camadas de suas embalagens produzidas no Brasil. Segundo a fabricante, a mudança para esse produto significará que 100% das embalagens da marca feitas no País (13 bilhões) serão compostas por 82% de materiais provenientes de fontes renováveis.

Será usado etanol derivado da cana-de-açúcar para produzir eteno, que será convertido em PE de baixa densidade. “O ‘polietileno verde’ possui as mesmas características do tradicional, como ser inerte, resistente e reciclável, com a vantagem de ter origem renovável”, disse Carlos Fadigas, presidente da Braskem.


Braskem inaugura fábrica de PVC em Alagoas

23, agosto, 2012 3 comentários

Para a produção de 200 mil toneladas anuais de PVC, a Braskem inaugurou na sexta-feira em Marechal Deodoro, Alagoas, sua nova unidade para a fabricação dessa resina com investimento de R$ 1 bilhão, o maior já feito em um único projeto desde a fundação da companhia há dez anos. A planta instalou-se no polo industrial que conta com 60 empresas, gerando aproximadamente dez mil empregos diretos e indiretos.

A obra teve duração de dois anos e nela foram utilizados cerca de 30 mil metros cúbicos de concreto, três mil toneladas de tubulação e 800 quilômetros de cabos. Durante a fase mais intensa, em média 3.500 pessoas trabalharam na obra, sendo a maioria alagoana e moradora do município de Marechal Deodoro.

Para capacitar os trabalhadores, foi implantado o Programa Acreditar, que ofereceu 11 cursos, como armador de ferragens, caldeireiro, carpintaria de forma, eletricista força e controle, eletricista montador, encanador industrial, mecânico ajustador e mecânico montador.


Categories: Oportunidades Tags: , , ,

O futuro é das empresas e produtos “energeticamente corretos”

Poupar energia e reduzir o efeito estufa, dois lados do grande desafio da sustentabilidade, continuará sendo, neste e nos anos vindouros, preocupação obsessiva da indústria. A pressão ambientalista, as legislações e controles mais presentes e rigorosos e os custos de geração e transmissão crescentes estão forçando a indústria a repensar a infraestrutura de seu negócio.

Nesse contexto, Estados Unidos e China concentram a atenção mundial. São os maiores consumidores de energia e seus governos reconhecem os riscos ambientais provocados pela emissão de gases causadores do efeito estufa e, apesar das diferenças comerciais, estão criando processos de cooperação para comparar e trocar informações sobre as melhores soluções do ponto de vista da eficiência energética.

A China, com uma população de 1,3 bilhão, e crescendo, usa mais energia do que qualquer outro país e já superou os Estados Unidos na emissão de gases causadores do efeito estufa. Seu processo de industrialização foi inevitavelmente associado à migração da população para o ambiente urbano, o que explica os planos chineses para construir cerca de mil novas cidades – uma contribuição adicional para a emissão de gases – e também o projeto de induzir a indústria ao uso mais eficiente da energia. Em resumo, a China busca “produtos energeticamente corretos”. Uma vantagem competitiva crescentemente decisiva no mercado globalizado.

As empresas brasileiras submetidas às mesmas pressões econômicas, tecnológicas e ambientais amadurecem gradualmente essa cultura do produto “energeticamente correto”. Vale ressaltar o caso da unidade industrial da Braskem, no Polo Petroquímico de Triunfo-RS: com investimento de R$ 1,8 milhão e retorno em 12 meses, a empresa está em processo de substituir, até o final deste ano, 15 mil lâmpadas tubulares fluorescentes por iluminação LED – Light Emitting Diode, com as vantagens de maior vida útil, menor  geração de resíduos poluentes e custos competitivos.

A iniciativa, em pormenores, está contada na publicação do grupo Odebrecht de dezembro 2011 e vale como exemplo de pioneirismo no caminho dos produtos e processos “energeticamente corretos”.


Plástico Verde da Braskem será usado nos assentos do Amsterdan ArenA

17, novembro, 2011 Deixar um comentário

Acordo com petroquímica brasileira prevê fornecimento de matéria-prima para 2 mil bancos feitos de plástico de origem 100% renovável no estádio holandês

A Braskem, fabricante de resinas termoplásticas e biopolímeros, fechou uma parceria com o Amsterdam ArenA e vai fornecer o seu Plástico Verde para a fabricação dos assentos do estádio multifuncional holandês. Já nos próximos meses serão instalados 2 mil bancos feitos com plástico de etanol da Braskem, em adição aos 52 mil existentes. Ao final dos próximos dois anos, todos os 54 mil assentos serão de plástico feito com matéria-prima 100% renovável e tecnologia brasileira. O anúncio está sendo feito nesta sexta-feira, dia em que a Holanda comemora nacionalmente o Dia da Sustentabilidade.

A instalação dos “sugar seats”, como estão sendo chamados os assentos, faz parte da estratégia de fazer do Amsterdam ArenA o cartão de visitas da capital mais sustentável do mundo. O estádio foi inaugurado em agosto de 1996 e passa por obras de melhoria na parte destinada ao público, sem prejuízo para os espetáculos como o amistoso de hoje entre as seleções de futebol da Holanda e Suíça. Toda a reforma é norteada por diretrizes de sustentabilidade. Em 2015, o estádio será ecologicamente neutro, sem qualquer emissão de gás carbônico.

A Braskem fabrica o Plástico Verde desde setembro de 2010, quando inaugurou em Triunfo (RS) uma unidade industrial de eteno derivado de etanol, com capacidade de produção de 200 mil toneladas de polietileno verde por ano. Ao contrário do plástico de origem fóssil, o Plástico Verde apresenta um balanço ambiental positivo: para cada tonelada produzida, são retirados até 2,5 toneladas de gás carbônico (CO2) da atmosfera.

“A presença do Plástico Verde no Amsterdam ArenA está totalmente alinhada com a estratégia da Braskem de tornar-se líder global da química sustentável”, disse Marcelo Nunes, diretor de Negócios de Químicos Verdes da Braskem. “A parceria da Braskem com a Station Amsterdam se soma a outras já consolidadas nos últimos meses, que reuniram empresas empenhadas em iniciativas sustentáveis”, afirma.

O projeto da fábrica de eteno verde, concebido com tecnologia própria da Braskem, teve investimentos de R$ 500 milhões. O produto tem importantes clientes no Brasil e no mundo, como Procter & Gamble, Nestlé, Toyota Tsusho, Natura, Tetra Pak, Danone e Chanel, entre outros.