Arquivo

Textos com Etiquetas ‘chão de fábrica’

Automação industrial – novas tecnologias para acelerar a modernização do parque fabril

Imprescindível para as indústrias que buscam maior competitividade num mercado globalizado e cada vez mais exigente de soluções eficientes, a automação industrial é decisiva para acelerar a modernização do parque fabril em todas as etapas de produção. Ela introduz no chão de fábrica a necessidade de adoção de novas tecnologias, capazes de proporcionar mais eficiência, produtividade, exatidão, qualidade e segurança, além de contribuir com a redução de custos e eficiência energética.

Por isso, reunimos na seção “Automação Industrial”, da Revista NEI de novembro/dezembro de 2016, algumas novidades em automação industrial pesquisadas nos mercados nacional e internacional que podem ajudá-lo a incrementar os processos produtivos de sua empresa.

Para conhecer as novas soluções apresentadas na edição de nov/dez da Revista NEI, incluindo as de automação industrial, acesse a seção “Lançamentos de Produtos” do NEI.com.br, clicando aqui.

 

Panorama da automação industrial

Os modos de produção vêm se transformando nos últimos anos, impactados pelos avanços da quarta revolução industrial.  Segundo Renato Ely Castro, professor da Faculdade SENAI de Tecnologia de Porto Alegre/RS, a Indústria 4.0 está associada a um novo modelo de negócio que, no âmbito da automação, demanda capacidades de operação em tempo real, virtualização dos processos, distribuição (descentralização) das funções de controle, orientação a serviços, “eficientização” dos processos produtivos, estruturação e modularização das aplicações, ou seja, produzir mais, melhor, mais rápido e com menos impacto energético. O tema eficiência energética, de acordo com o professor, está em evidência e a automação desempenha importante papel nesse contexto.

Nessa área, as inovações acontecem com rapidez. Renato Ely destaca o crescimento consistente da rede Ethernet Industrial que, por sua natureza padronizada, aberta e com múltiplos fornecedores, facilita a monitoração e o controle de processos, otimizando o tempo de produção. Com o avanço da Internet das Coisas no meio industrial, cresce em importância a automação baseada em PC (IPC), afirma o docente, agregando novas possibilidades ao já consagrado controlador programável (PLC), como, por exemplo, maior flexibilidade, conectividade e desempenho, mídias variadas de armazenamento e novas soluções de interfaces de operação (HMI).

No âmbito do desenvolvimento de programas aplicativos, Renato Ely ressalta o conceito de programação modularizada e estruturada preconizado pela IEC 61131, que enfatiza o uso de blocos funcionais (FBs), facilitando a reutilização, portabilidade e validação da aplicação, incluindo a redução no tempo de comissionamento dos sistemas.

O avanço das novas tecnologias aplicadas à automação industrial também vai exigir profissionais bem preparados. O perfil do engenheiro que trabalha nessa área, por exemplo, deve ser multidisciplinar, como sugere o professor, agregando competências que incluem a gestão (liderança) de projetos de sistemas automatizados, o conhecimento das novas tecnologias, tanto de hardware quanto de software, e a busca de soluções inovadoras em automação industrial. Sem contar, é claro, do domínio de ferramentas de tecnologia da informação e comunicação (TIC).


Ainda há tempo para conhecer a fábrica do futuro

Nos próximos dias 25 e 26 deste mês, NEI Meetings reúne no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo, um grupo de especialistas com a incumbência de examinar a evolução das principais tendências tecnológicas aplicadas ou aplicáveis no chão de fábrica. Em outras palavras, antecipar para a audiência de profissionais da indústria uma visão clara e objetiva do que é possível esperar para suas empresas e suas carreiras profissionais.

Esta perspectiva começa a ser desenvolvida no primeiro dia e de forma abrangente por Richard Morley, com suas credenciais de palestrante internacional, físico pelo MIT e criador do CLP.

Para a sequência deste evento, NEI Meetings foi buscar, no meio universitário e na cúpula das corporações mais comprometidas com o desenvolvimento tecnológico, especialistas que vão elaborar o tema central em áreas mais específicas, como automação, gestão da informação no chão de fábrica, evolução dos sensores, pré-condições para assumir o papel de global player, o papel e a importância das redes neurais na integração da indústria, para mencionar algumas das palestras programadas (veja programação completa em http://www.eventosnei.com.br/congresso.php).

Depois de cada palestra e dos dois brain stormings programados, haverá tempo reservado para as perguntas. Além das perguntas, NEI Meetings está encorajando a audiência a enriquecer os debates com suas próprias contribuições ao tema discutido.

No final do segundo dia, o evento se encerra com a celebração dos 20 anos da edição NEI Top Five e com a palestra de Eduardo Tomiya, diretor-geral da Brand Analytics, sobre a monetização do valor das marcas.

Um evento que justifica amplamente o adjetivo imperdível.


Produtos de H&P automatizam processos industriais

9, setembro, 2011 1 comentário

O Estudo de Intenção de Compras 2010/2011 realizado por NEI Soluções revela que 8,8% das intenções de compra de nossos leitores recaem na categoria Hidráulica e Pneumática. A indústria em geral, em menor ou maior grau, está envolvida em processos automatizados, buscando soluções que aliem movimento à confiabilidade em sistemas baseados nos princípios da hidráulica e pneumática.

Na realidade, equipamentos de hidráulica e pneumática contribuem para automatizar processos, tornando-os mais precisos, rápidos e confiáveis.

Em suma, a importância da automação no chão de fábrica está ampliando o interesse da indústria por equipamentos de H&P, uma vez que a demanda por mais automação é fator determinante para aumentar a qualidade e a produtividade dos processos industriais.

Para apoiar os profissionais da indústria que têm a responsabilidade de projetar e/ou operar esses sistemas automáticos, pesquisamos e editamos 58 produtos lançados recentemente no mercado. Confira aqui!

Crédito: Lilian Mary Gabriel Lopes é graduada em língua portuguesa pela USP e pós-graduada em literatura brasileira pela UFRJ.


Jim Pinto, em visita ao Brasil, faz palestra no NEI Meetings

11, julho, 2011 Deixar um comentário

Brasil, o “B” de BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China – economias que mais crescem no mundo), tem se tornado uma força econômica e um dos mercados emergentes mais aquecidos do mundo.

Sendo a 8º maior economia mundial, o Brasil é o maior exportador de produtos como: café, açúcar, aves domésticas, bife, suco de laranja, etanol e tabaco. Passando ileso pela crise financeira internacional, o País notavelmente encontra-se em uma melhor posição econômica do que antes da crise.

Em junho de 2011, estive em São Paulo para falar sobre Perspectivas para a Automação e Instrumentação no Chão de Fábrica, no NEI International Industrial Conference & Show – Tecnologias Emergentes, Desafios, Oportunidades e seu Impacto na Manufatura. O evento foi realizado em 2 dias, no Centro de Convenções Frei Caneca, com a participação de líderes, os principais fornecedores e usuários que se reuniram para discutir as novidades e trocar experiências relacionadas a produtos e soluções industriais.

Foi um evento único e o primeiro do tipo realizado no Brasil: foram 2 dias e mais de 25 palestras e apresentações de experts nacionais e internacionais da área tecnológica.

A área de exposição apresentou várias empresas no mercado primário do Brasil, com interativas mesas hands-on, nas quais os expositores apresentaram suas tecnologias, produtos e serviços. A agenda incluiu tempo para os participantes da conferência interagirem com palestrantes e patrocinadores.

Fiquei feliz em ver Nelson Ninin, presidente da Yokogawa Brasil e presidente da ISA em 2010, a primeira das Américas e a segunda pessoa de fora dos EUA a ter essa posição (meu bom amigo de muitos anos, Pino Zani, da Itália, foi presidente da ISA em 2001).

Tivemos um jantar delicioso na casa de velhos amigos, Nelson Freire e família em São Paulo; seu calor e afeto brasileiro fizeram os 20 anos desde que nos conhecemos parecer que tínhamos visto um ao outro ontem. Foi maravilhoso ver a esposa de Nelson, Dirce, uma talentosa pianista, tocar, e Nelson cantar. Eu simplesmente tive que participar! As memórias de todos nós cantando juntos, e os gêmeos Luis Antonio e Nelsinho tocando guitarra e cantando, vão ficar sempre nas nossas memórias.

Na sequência de nossa visita a São Paulo, passamos alguns dias no Rio de Janeiro. Ficamos em um hotel em Copacabana e apreciamos as praias (livres de multidões). Claro que tivemos que ir para os teleféricos que iam para o topo do Pão de Açúcar para vermos o espetacular panorama do Rio e do Corcovado para ficarmos abaixo da gigante estátua do Cristo Redentor, que é visível de quase todos o lugar no Rio. Uau, que viagem!

Texto original publicado em: http://jimpinto.com/enews/23june2011.html#3 por Jim Pinto, fundador da Action Instruments Techonology Futurist nos EUA.


No próximo mês, um encontro com o futuro da manufatura

Durante dois dias, sete e oito de junho próximos, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo, renomados especialistas da Alemanha, Estados Unidos e Brasil vão mostrar o estágio atual das tecnologias emergentes e projetar sua influência sobre a manufatura.

Em palestras, painéis e “talk shows” serão apresentadas e abertas para discussão e perguntas as aplicações industriais da nanotecnologia, manufatura aditiva, micromanufatura, nuvem computacional e mecatrônica. O evento se preocupa também em oferecer aos participantes informação sobre a gestão das inovações tecnológicas. Em outras palavras, como a empresa e o chão de fábrica, em particular, podem otimizar os benefícios oferecidos por esse elenco de novas tecnologias.

O NEI International Industrial Conference & Show assinala o ingresso da marca NEI no campo dos eventos industriais de uma forma inovadora. Ele foi desenhado para oferecer informação relevante, criar espaços e oportunidades para resolver dúvidas, propiciar relacionamentos profissionais importantes e conhecer produtos e serviços de um grupo selecionado de empresas.

Na história que precede essa realização estão extensas pesquisas de mercado que mostraram as necessidades crescentes dos profissionais da indústria em relação à atualização profissional, ao contato com criadores e desenvolvedores de conhecimento tecnológico e à troca de experiências com profissionais de interesses comuns.

Para atender essas necessidades e introduzir a marca NEI nesse setor de eventos, criamos o NEI Meetings. Para saber mais sobre ele e sobre sua primeira realização, o International Industrial Conference & Show, nós o convidamos a visitar EVENTOSNEI.com.br.

Confira e participe da promoção do evento, clique aqui.


Para que serve um Código de Conduta Ética na sua empresa?

14, março, 2011 Deixar um comentário

Fraude, Corrupção, Suborno, Roubo de Informação Sigilosa, Assédio Moral e Sexual. Para que serve um Código de Conduta Ética na sua empresa?

O Código de Conduta Ética é uma ferramenta que orienta os negócios e a conduta desde acionistas e investidores até funcionários do chamado chão de fábrica. É um documento que explicita os princípios e valores da empresa, deixando transparente e público o que se espera de todos os envolvidos. Esse documento é uma importante ferramenta para o desenvolvimento da governança corporativa.

Para muitas empresas, é uma ferramenta dinâmica, cuja aplicação é obrigatória, servindo de referência para parceiros comerciais, fornecedores, mídia e demais colaboradores da cadeia virtuosa dos negócios. Um Código de Ética busca atender todas as possibilidades inerentes ao desenvolvimento diário e, muitas vezes, inegociáveis a respeito de práticas cotidianas.

Hoje, elaborar, implantar e monitorar um Código de Ética é também, sob o ponto de vista da gestão estratégica, gerenciar o risco e contingenciar situações que podem colocar em situação delicada a imagem e a reputação de uma empresa, como, por exemplo, ações de discriminação de homossexuais em equipes homogêneas lideradas por homens brancos; uso do patrimônio da empresa para interesses particulares; ações que configuram suborno, roubo, assédio moral ou sexual; uso indevido de informações sigilosas da empresa e/ou repasse aos concorrentes; postura indevida de funcionários com uniforme da empresa gravada e disponibilizada na internet; fraudes e maquiagem de dados financeiros e apropriação indébita; entre outras situações desagradáveis. Vale trazer a tona empresas e instituições que já pagaram caro por processo de assédio moral, racismo, discriminação sexual: veja aqui.

Para esclarecer os funcionários a respeito da conduta a ser seguida, indústrias implantam e monitoram seus Códigos de Conduta Ética, com informações importantes que devem ser esclarecidas já no período de contratação dos funcionários e atualizadas e divulgadas por meio de ações de comunicação interna ou mesmo por avaliação, por meio de Quizz utilizados para avaliar a aderência dos valores das empresas pelo seu público, a cada 3 ou 6 meses.

Assuntos como conflito de interesses, brindes, relação com comunidades, clientes e fornecedores, propriedade intelectual, patrimônio da empresa, assédio e abuso do poder, contratos e registros contábeis e muitas outras orientações, podem auxiliar o funcionário no entendimento das condutas que a empresa tem como premissas. Vale destacar que o Código deve possuir orientações para as denúncias éticas, encaminhando os funcionários denunciantes para canais de comunicação, como ouvidoras e “fale conosco”, ou “linhas da integridade” que possam garantir o sigilo da informação e evitar casos de retaliação ou perseguição. Cabe ao Comitê de Conduta Ética analisar as denúncias e aplicar os preceitos explícitos no Código.

Vale conferir alguns Códigos de Conduta Ética disponíveis na internet, como o Credo da Johnson&Johnson. Outros sites, como o da PepsiCo, CPFL e  Votorantim, também apresentam seus Códigos de Ética.

Para esse assunto é válido adaptar o ditado popular: “é mais importante e mais barato prevenir do que remediar”!

Crédito: artigo escrito por Ana Paula Arbache, sócia diretora da Arbache Consultoria e responsável pelas ações de gestão de pessoas, cidadania corporativa, sustentabilidade ética, social e ambiental.


A geração da qualidade na informação

Suponha que um dos supervisores do chão de fábrica entra em sua sala para reclamar do mau comportamento daquela velha talha que já não vem prestando bons serviços há muito tempo. Você reconhece que está na hora de substituí-la, em benefício da produtividade e da segurança. Confiando na internet, você promete solução rápida.

Logo que o colega se retira, você abre o computador e digita “talha” no browser de sua preferência e, 0,19 segundo depois, recebe a informação de que existem 162.000 opções.

Claro que estão embutidos nesse número muitos fabricantes de filtros domésticos de água que também são talhas, mas que não resolvem seu problema.

É preciso selecionar melhor, então você digita “talhas industriais”. Em apenas 0,24 segundo você fica sabendo que há 92.700 opções. É preciso continuar tentando. Talhas elétricas?

Aparecem 87.700 opções. Fabricantes de talhas elétricas? Você esperava uma redução de opções e surpreende-se – agora são 384.000 sites disputando sua atenção. Resolve então ir ao extremo da especificação e pede fabricantes de talhas elétricas automáticas para 5 toneladas. O número melhora muito, mas está longe de ser uma solução, pois você precisaria visitar 8.650 sites.

Gastando a mesma fração de segundos, você poderia digitar NEI.com.br e encontrar informações mais precisas, mais completas e confiáveis. Os produtos que você encontra em NEI.com.br foram identificados pela equipe de pesquisa editorial desta publicação nas visitas a meia centena de feiras em três continentes ou através de pesquisas diretas com fabricantes do País e do exterior, em intercâmbio com as revistas internacionais especializadas associadas.

Cada produto identificado é comparado com o banco de dados para assegurar que nunca foi publicado. A partir desse ponto, ele gera uma notícia que identifica claramente o produto e inclui suas principais características técnicas, com ênfase naquela que o fabricante identifica como diferencial mercadológico. Pronta a notícia, ela é enviada para consultores técnicos, que avaliam sua relevância para o mercado interno.

Para que todos os setores encontrem, em cada edição, produtos de seu interesse imediato, o espaço editorial disponível (250 notícias neste mês, 3.199 de janeiro a dezembro) é rateado entre os diferentes segmentos da indústria, conforme as proporções estabelecidas pela Pesquisa Anual de Intenção de Compras. Assim, todos os leitores encontram, em todas as edições, produtos de seu interesse direto.

Esse cuidadoso processo, executado por equipes experientes, produz informação de alta qualidade – porque poupa seu tempo, é fácil de ser localizada em qualquer das mídias do sistema NEI e está orientada para as exigências e necessidades específicas dos profissionais da indústria.

Se aquela talha continua problemática e o supervisor voltou a reclamar, veja nesta edição a mais recente talha lançada no mercado e/ou digite “talha” em NEI.com.br. Você verá como é fácil, simples e rápido.