Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Eduardo Tomiya’

Conheça as mais recentes soluções das empresas que conquistaram o selo NEI Top Five 2015/2016

“Inovação é essencial para qualquer empresa se manter competitiva e seus produtos desejadospor clientes, portanto as inovadoras constroem marcas fortes”, afirmou Afonso Carlos Braga, professor responsável pela disciplina Marketing Industrial do Instituto Mauá de Tecnologia, em São Caetano do Sul-SP. Eduardo Tomiya, engenheiro industrial, professor e diretor da Millward Brown Vermeer, também afirmou que “quem não inova e não busca uma proposta de valor diferenciada com finalidade clara, não sobrevive”. Para trazer exemplos de empresas seguidoras das orientações desses e de outros especialistas, NEI reúne neste mês novidades em produtos de algumas companhias nomeadas NEI Top Five 2015/2016. Mesmo em ano difícil essas empresas se esforçam para lançar produtos e tornar suas marcas mais lembradas pelos especificadores e/ou compradores no momento da decisão.

Ainda neste mês você receberá a edição NEI Top Five 2015/2016 com esse ranking qualificado preparado por NEI Soluções há 24 anos consecutivos, que traz os cinco fornecedores mais lembrados pelos profissionais da indústria em 418 categorias de produtos e serviços, poupando seu tempo na busca por parceiros confiáveis, indispensáveis principalmente no momento atual, quando as empresas precisam ainda mais firmar parcerias com credibilidade para as compras de seus próximos ativos e serviços. A relação das marcas mais fortes da indústria em centenas de categorias, na opinião de seus colegas do segmento, está disponível desde 1º de setembro no NEI.com.br, um mês antes do tradicional, justamente para você aproveitar ainda mais as referências e planejar melhor as compras para 2016. Todas as empresas NEI Top Five 2015/2016 foram convidadas a enviar seus lançamentos para divulgação nesta seção, e os produtos recebidos em tempo hábil e aprovados pelos editores pelo grau de inovação você confere a seguir. São soluções que podem pertencer a uma categoria diferente daquela em que a empresa foi nomeada NEI Top Five.

Convidado pela equipe de reportagem de NEI a sugerir recomendações para uma marca ser mais lembrada e preferida em momentos de crise econômica, o professor Braga recomendou, no geral, não cair na tentação do corte radical de verba e da visibilidade, e fazer um esforço para se manter em contato com os clientes. “Não abandone o clientes, não desapareça”, disse o docente. Sugeriu também que a equipe de marketing converse com compradores e observe como os concorrentes e as empresas de outros setores se comportam diante dos impactos da crise, estimulando o surgimento de soluções interessantes e criativas. E, independente do momento econômico, disse ainda que é predominante nos mercados B2B e B2C que a marca conquiste a confiança e fidelize o consumidor.

As conquistas de premiações e as menções, como o NEI Top Five, fazem parte do processo de lembrança e preferência que as marcas fortes possuem. Para a indústria, a credencial NEI Top Five é, portanto, vantagem competitiva.

Feitos esforços para o reconhecimento, as marcas podem se beneficiar das crises, segundo Tomiya, aproveitando para converter a força em vantagens competitivas e explorar novas categorias de produtos e serviços. Ainda de acordo com ele, uma empresa que deixa de investir na divulgação de suas marcas em momentos de crise conseguirá economizar recursos no curto prazo, mas é inegável que quando a crise acabar, ela perde velocidade de recuperação em relação aos concorrentes que mantiveram os investimentos. “Muitas vezes as empresas fazem cortes de maneira muito radical e depois se arrependem, por isso recomendamos que invistam em metodologias de Retorno sobre Investimento (ou ROI)”, comentou.

As marcas têm papéis importantes, que são: proteger, distinguir, identificar e conferir grau de percepção de qualidade em qualquer mercado ou momento econômico em que se esteja, informou Braga. “Assim sendo, esperar que por causa da crise as pessoas abandonam as marcas, é engano, no máximo ocorre um movimento temporário em categorias onde o consumidor não tem clara percepção da diferença de desempenho dos produtos, mas passada a crise, a tendência é de volta às marcas preferidas”, disse o professor, completando: “No momento da recuperação, quem os clientes vão preferir? Aqueles que não os abandonaram”.


Ainda há tempo para conhecer a fábrica do futuro

Nos próximos dias 25 e 26 deste mês, NEI Meetings reúne no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo, um grupo de especialistas com a incumbência de examinar a evolução das principais tendências tecnológicas aplicadas ou aplicáveis no chão de fábrica. Em outras palavras, antecipar para a audiência de profissionais da indústria uma visão clara e objetiva do que é possível esperar para suas empresas e suas carreiras profissionais.

Esta perspectiva começa a ser desenvolvida no primeiro dia e de forma abrangente por Richard Morley, com suas credenciais de palestrante internacional, físico pelo MIT e criador do CLP.

Para a sequência deste evento, NEI Meetings foi buscar, no meio universitário e na cúpula das corporações mais comprometidas com o desenvolvimento tecnológico, especialistas que vão elaborar o tema central em áreas mais específicas, como automação, gestão da informação no chão de fábrica, evolução dos sensores, pré-condições para assumir o papel de global player, o papel e a importância das redes neurais na integração da indústria, para mencionar algumas das palestras programadas (veja programação completa em http://www.eventosnei.com.br/congresso.php).

Depois de cada palestra e dos dois brain stormings programados, haverá tempo reservado para as perguntas. Além das perguntas, NEI Meetings está encorajando a audiência a enriquecer os debates com suas próprias contribuições ao tema discutido.

No final do segundo dia, o evento se encerra com a celebração dos 20 anos da edição NEI Top Five e com a palestra de Eduardo Tomiya, diretor-geral da Brand Analytics, sobre a monetização do valor das marcas.

Um evento que justifica amplamente o adjetivo imperdível.