Arquivo

Textos com Etiquetas ‘eólica’

2º Fórum Gestão Operacional de Parques Eólicos ocorre neste mês, na cidade de São Paulo. As inscrições estão abertas

O encerramento da garantia de fábrica dos aerogeradores negociados no leilão de 2009, a gestão total da operação e os modelos de gestão compartilhada para serviços de O&M são destaques do 2º Fórum Gestão Operacional de Parques Eólicos, que será realizado em 20 e 21 de outubro, no hotel Golden Tulip Paulista Plaza, em São Paulo-SP. A programação também conta com debates sobre modalidades de contratação e o impacto na O&M eólica, segurança operacional nas usinas, normas e paradas – programadas ou não – e como comprometem o volume despachado.

“Com a consolidação do setor – que amadureceu muito nos últimos anos especialmente no que se refere aos leilões –, o desafio agora é assegurar os níveis de produção de energia, desonerar a operação dos parques e contingenciar os impactos dessa modalidade de geração no País”, disse André Laurenti Ramos, diretor da Blue Ocean Business Events, organizadora do evento, que tem apoio da ABEEólica – Associação Brasileira de Energia Eólica.

“Esse é o momento certo para debater o tema, pois as decisões de agora impactarão a perenidade dos parques do ponto de vista operacional e, principalmente, de sua liquidez econômica”, opinou Ramos. Para mais informações e inscrições, acesse www.fgpe.com.br


Furnas desenvolve usina para gerar energia a partir de ondas de alto-mar

Furnas iniciou projeto de usina flutuante inédita no País, chamada de conversor offshore, para a geração de energia a partir das ondas de alto-mar com capacidade inicial de 100 quilowatts. “A ideia é de que a unidade atenda o Farol da Ilha Rasa e cerca de 200 casas existentes no local”, disse Renato Norbert, gerente da área de pesquisa, desenvolvimento e inovação de Furnas. Na segunda etapa, deverá gerar energia para plataformas do pré-sal. O gerente completou que a intenção também é atender navios que estejam ancorados a pouca distância da costa, aguardando para entrar em algum porto.

A pesquisa é desenvolvida em parceria com a Coppe – Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, e a empresa Seahorse.

Já foi iniciada a construção do protótipo, em pequena escala, que será testado no tanque de ondas da Coppe. Após os aperfeiçoamentos, os técnicos se dedicarão à construção da unidade. A expectativa é de que as operações comecem até o primeiro trimestre de 2016.

Segundo Norbert, a construção da usina é muito mais barata do que usina de geração eólica da mesma capacidade, por exemplo, e a manutenção terá custo baixo. O investimento total da estatal deve ser de R$ 8,2 milhões.

A Coppe e a empresa Tractebel Energia desenvolvem a primeira usina de ondas para produzir energia elétrica da América Latina, situada no Porto do Pecém-CE. Essa unidade se diferencia do projeto de Furnas porque é fixada no porto (onshore).

Fonte: com informações da Agência Brasil.


Energia renovável atingirá 25% da produção mundial em 2018, informa IEA

A produção de energia renovável crescerá 40% até 2018, alcançando 7 mil TWh ou 25% da matriz mundial. Em 2035, a previsão é de que as fontes renováveis superem o gás natural, ficando atrás apenas do carvão na geração de energia. Os dados constam do Relatório de Médio Prazo do Mercado de Energia Renovável, produzido pela Agência Internacional de Energia (IEA, sigla em inglês).

O documento aponta que o Brasil acrescentará 130 TWh de energia renovável até 2018. Com isso, a matriz nacional será de 600 TWh. Podem contribuir leilões com contratos de venda de energia de longo prazo e financiamento a baixo custo. O potencial de crescimento recai sobre hidrelétricas, parques eólicos e usinas de biomassa de cana-de-açúcar.

De acordo com Paolo Frankl, chefe da Divisão de Energia Renovável da agência, China e Brasil liderarão o incremento das fontes renováveis nos próximos anos. Ele frisou que a expansão do mercado será acelerada mesmo em meio a incertezas sobre os rumos da economia mundial. “Os países emergentes compensarão o menor ritmo de crescimento e a volatilidade dos mercados norte-americano e europeu”, afirmou Frankl.

Fonte: com informações de Furnas.


GE amplia produção de equipamentos para turbinas eólicas em Campinas

A unidade da GE em Campinas-SP produzirá a cabeça da máquina, conhecida como Nacelle, para as turbinas eólicas GE 1,7-100 e 1,85-82,5. A cabeça é o componente principal de uma turbina eólica e abriga o equipamento de geração de energia, incluindo a caixa de velocidade, o gerador e os controles. Em Campinas, a GE também produz o nariz ou Hub dos aerogeradores.

“No ano passado, o País instalou mais de mil megawatts em energia eólica”, disse Jean-Claude Robert, líder da GE Renewables para a América Latina. “Desse total, 40% são projetos da GE.”

A empresa instalou recentemente sua turbina número 500 no Brasil, no Rio Grande do Norte. De 1,6 megawatt, foi instalada no parque eólico da Dobreve Energia e ajudará o projeto Eurus de 60,8 megawatts, que conta com 38 unidades de turbinas com tecnologia GE de 1,6 megawatt. “Até o final desse ano, a GE inaugurará o segundo centro de serviços no Rio Grande do Norte. Os dois centros juntos empregarão mais de 50 técnicos”, completou Robert.


Alstom inaugura fábrica de torres eólicas em RS. Mais de 300 empregos serão gerados

8, agosto, 2013 Deixar um comentário

Localizada em Canoas, no Rio Grande do Sul, a unidade terá capacidade para produzir 120 torres de aço por ano – quantidade suficiente para fornecer cerca de 350 MW de eletricidade. A fábrica abastecerá a região sul da América Latina, que segundo a Alstom, é um mercado em franco crescimento. “A posição geográfica da planta nos permite estar próximos de nossos clientes e possibilita a interação com outros países, como Argentina, Chile e Uruguai”, explicou Marcos Costa, presidente da Alstom Brasil. 

A nova unidade produzirá torres dedicadas ao complexo Corredor do Senandes, primeiro projeto eólico da Odebrecht Energia, que terá 108 MW de capacidade instalada. Distribuída em aproximadamente 11.000 m², a nova planta prevê empregar 90 pessoas, além de gerar mais 250 empregos indiretos.

Em ritmo crescente, o mercado eólico onshore global é um dos principais responsáveis pela construção da nova fábrica da Alstom. Meses atrás, a empresa assinou o maior acordo dentro do mercado eólico onshore global com a Renova Energia. A parceria tem potencial para gerar cerca de um bilhão de euros em pedidos para a Alstom, por meio da instalação de no mínimo 1,2 GW em projetos. As empresas já assinaram um contrato para 513 MW como parte do acordo.

A unidade de Canoas é a segunda do setor eólico na América Latina. A primeira foi inaugurada em novembro de 2011 em Camaçari, na Bahia. A planta de Camaçari tem capacidade para fabricar 600 MW em aerogeradores por ano.

Além do presidente da Alstom, durante a cerimônia de inauguração estavam presentes Tarso Genro, governador do Rio Grande do Sul, e outras autoridades locais.


Cinco parques eólicos serão construídos no Ceará

Na cidade de Trairi-CE serão construídas cinco usinas eólicas com potência instalada de 136,5 MW e sistema de transmissão integrado. A previsão é de que as atividades comecem no final deste ano.

Para isso, foi aprovado financiamento de R$ 92 milhões pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES. Os recursos serão destinados a cinco Sociedades de Propósito Específico controladas pela Enerplan Participações Societárias e FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III, responsáveis pelo projeto, denominado Complexo Faísa.

Para 2013, o banco estima crescimento de 15% no número de operações aprovadas em relação ao ano anterior. A carteira atual do BNDES, incluindo projetos na fase de liberação de recursos e em análise, soma 94 parques eólicos, equivalentes a financiamentos de R$ 6,8 bilhões. Em 2012, o banco financiou 63 usinas eólicas, com R$ 3,1 bilhões. Esse valor corresponde a investimento total (consideradas a contrapartidas dos empreendedores) de R$ 5,9 bilhões.


Categories: Oportunidades Tags: , , , ,

Plano paulista propõe aumento de energia renovável

Lançado recentemente, o Plano Paulista de Energia – PPE sugere novas políticas públicas com foco na energia renovável e eficiência energética. Assim, a presença desse tipo de energia deve aumentar dos atuais 55,5% para 69% até 2020. São Paulo é o Estado com maior matriz de energia renovável.

De acordo com o plano, o Estado pode ampliar o potencial instalado de bioeletricidade de cana de 4,8 mil MW para 13 mil MW. As gerações eólica e fotovoltaica também devem contribuir para a ampliação da matriz renovável em São Paulo.

Os investimentos de R$ 2,8 bilhões sairão de parceria com a iniciativa privada. O plano também pretende criar disciplina de eficiência energética e uso racional da energia elétrica na rede pública e estimular a construção civil eficiente por meio da introdução de requisitos nos códigos de obra.


ABDI vai mapear indústria eólica no Brasil

Novo estudo da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial – ABDI terá diagnóstico da indústria eólica no País, informou Eduardo Tosta, especialista de projetos da agência. O anúncio foi realizado durante o 2º Encontro de Negócios da Associação Brasileira de Energia Eólica – Abeeólica, realizado em São Paulo, neste mês, que reuniu empresas do setor para promover debate e tratar do Finame, linha de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES.

Intitulada “Mapeamento da Cadeia Produtiva da Indústria Eólica do País”, a análise mostrará o atual panorama da produção brasileira no setor e apontará suas potencialidades. “Vamos fazer o mapeamento de quais itens da cadeia produtiva da indústria eólica são produzidos no Brasil e quais são importados, apontar os gargalos produtivos e identificar potenciais fornecedores”, detalhou Tosta.

Durante o evento, o especialista da ABDI solicitou o apoio das empresas participantes, já que os consultores farão entrevistas com todos os fabricantes de aerogeradores e principais fornecedores do setor. O projeto terá duração de dez meses.


Dois eventos sobre energia começam em 30 de outubro em SP

A participação do Brasil no cenário mundial de energias renováveis será um dos temas apresentados no 7º Congresso Internacional de Bioenergia, que ocorrerá de 30 de outubro a 1º de novembro no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. A programação envolve palestras e apresentações de trabalhos técnicos e de banners de pesquisas.

A geração de energia a partir de fontes renováveis, como energia eólica, energia solar e biocombustíveis, também será abordada por especialistas. Outro tema discutido será a situação energética global, ministrado por José Goldemberg, professor do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo.

Em paralelo será realizada a 5ª BioTech Fair – Feira Internacional de Tecnologia em Bioenergia e Biocombustível, que reunirá empresas ligadas à produção de máquinas, equipamentos e tecnologias voltadas a energias renováveis. Clique aqui para conhecer a programação dos eventos.

Consumo de energia na próxima década
Estudo divulgado pela Empresa de Pesquisa Energética do Ministério de Minas e Energia prevê crescimento do consumo de energia no País de cerca de 4,5% ao ano, pelos próximos dez anos. Segundo a pesquisa, a demanda deve passar dos 472 mil GWh consumidos em 2011 para 736 mil GWh em 2021. Entre os setores, a previsão é de que o comércio terá o maior aumento na demanda por energia na próxima década: 5,8% ao ano. Já o consumo do setor residencial deve crescer 4,5% e o do setor industrial, 4,4%.

Fonte: com informações da Agência Brasil.


Região Sul receberá um dos maiores complexos eólicos da América Latina

21, setembro, 2012 Deixar um comentário

A Eletrosul Centrais Elétricas (subsidiária da Eletrobras), em parceria com a fabricante espanhola de aerogeradores Gamesa, assinou a ordem de serviço para o início imediato das obras de construção do Complexo Eólico Geribatu, que será instalado em Santa Vitória do Palmar, no litoral sul gaúcho.

Previsto para funcionar plenamente em março de 2014, o complexo receberá investimentos na ordem de R$ 1 bilhão e contará com 258 megawatts (MW) de capacidade instalada, produzindo energia para o consumo de mais de 1,6 milhão de pessoas. Ao todo, serão instalados 129 aerogeradores, distribuídos em dez parques eólicos. “As primeiras turbinas eólicas estarão em operação no segundo semestre de 2013”, adianta Ronaldo dos Santos Custódio, diretor de engenharia e operação da Eletrosul.

Segundo Custódio, trata-se do segundo maior empreendimento eólico latino-americano, atrás apenas de outro projeto no Nordeste brasileiro, o de Alto Sertão 1, que tem capacidade instalada de 294 MW.

O empreendimento é uma parceria da Eletrosul com o Fundo de Investimentos em Participações – FIP Rio Bravo, responsável por 51% do negócio. Os 49% restantes pertencem à estatal.

Em números…
Devido às obras em Santa Vitória do Palmar serão abertos e recuperados cerca de 70 quilômetros de estradas. Aproximadamente 60 quilômetros de linhas subterrâneas transportarão a energia dos aerogeradores até uma subestação coletora. Cada gerador terá 78 metros de altura e 97 metros de diâmetro.

Em parceria com a Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul, a Eletrosul irá construir 490 quilômetros de linhas de transmissão, três novas subestações e ainda ampliar uma já existente. Cerca de R$ 700 milhões devem ser investidos.

Entre diretos e indiretos, deverão ser gerados cerca de 3 mil empregos na região. “Os investimentos irão transformar o perfil econômico da cidade de Santa Vitória do Palmar, que tem perto de 32 mil habitantes. Além dos empregos, a população vai ganhar mais infraestrutura, segurança e uma renda extra”, conta Custódio.

Eólica em alta
A Eletrosul possui ainda mais três empreendimentos eólicos, todos no Rio Grande do Sul, devido ao potencial energético da região. Em junho deste ano, a empresa inaugurou o Complexo Eólico Cerro Chato, com 90 MW de capacidade instalada, em Sant’Ana do Livramento. Na mesma cidade está sendo construído o Complexo Eólico Livramento, com 78 MW de capacidade, previsto para o primeiro trimestre de 2013. Já as obras em Chuí devem ser iniciadas ainda até o final do ano. Juntos, os quatro empreendimentos totalizarão 570 MW de potência.

Fonte: com informações da Agência Brasil