Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Instrumentação e Controle’

Instrumentação & Controle: Indústria 4.0 indica tendências tecnológicas para monitoramento de processos

Cada vez mais inserida no mundo, no Brasil a transição para a Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial apenas se iniciou, por isso NEI colabora para expandir o conhecimento, consequentemente agilizar a inserção do novo conceito no País. Durante todo este ano, a equipe de reportagem de NEI entrevistou especialistas de diversas áreas da indústria que mencionaram o tema como tendência, e esse conteúdo foi apresentado aos leitores nos textos de abertura das seções especiais mensais da Revista NEI e aqui, neste Blog. Essas reportagens introduziram muitas notícias de lançamentos de produtos já relacionados à indústria do futuro. Para este mês, os entrevistados, focados na área de instrumentação e controle, não responderam diferente. Novamente citam a Indústria 4.0 como “a bola da vez”.

Para acompanhar este texto, aqui há uma seleção de novidades de instrumentação e controle pesquisadas no Brasil e no exterior, muitas já inseridas no conceito da nova revolução. Além de colaborar para a implantação da Indústria 4.0 no País, os lançamentos contribuirão para ampliar a qualidade e a produtividade industrial, reduzir os custos operacionais e fornecer maior segurança, aumentando a lucratividade das empresas, das pequenas às grandes, de todos os setores industriais.

“O que está em evidencia é a Indústria 4.0 e tudo o que se une para dar suporte a ela, como Identificação por Radiofrequência (RFID), Sistemas Ciberfísicos (CPS), Internet das Coisas (IoT), computação em nuvem, realidade virtual, realidade aumentada e Big Data”, informou Fabrício Junqueira, docente e membro do Laboratório de Sistemas de Automação da Escola Politécnica da USP. “As diferentes combinações desses elementos, pois não há necessidade de usar todos ao mesmo tempo, ditarão várias tendências. Evidentemente influenciarão os diferentes setores industriais de forma diferente.”

Ainda sobre tecnologia, um tema para discussão sugerido por Ludmila Correa de Alkmin e Silva, professora da Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp, doutora e pós-doutora em engenharia mecânica e especialista em projetos de máquinas, possibilitando uso no futuro, é a aplicação do Arduino na automação industrial (plataforma de prototipagem eletrônica). “É composto por um microcontrolador Atmel AVR e componentes complementares para facilitar a programação e a incorporação para outros circuitos com o conceito de software e hardware livre”, explicou a docente.

Segundo Ludmila, com a evolução e a popularização do Arduino, aumentou a discussão sobre seu implemento na automação de processos produtivos. “Algumas vantagens e desvantagens possui em relação aos controladores lógicos programáveis industriais – CLPs, que são os mais comuns atualmente”, contou. “Os CLPs são usados por serem robustos e seguros, porém apresentam custo mais elevado, enquanto o Arduino é mais simples no uso e na implementação.” Assim, a professora fomenta a discussão se em pequenas plantas automatizadas o Arduino poderia substituir o CLP.

A força da I&C na indústria

As tecnologias de instrumentação e controle sempre foram o pilar da produção industrial, mas agora não apenas completam o ciclo produtivo, tornam-se inteligentes o suficiente para nutrir os sistemas de gerenciamento de ativos, passando de apenas modernas para modernas e eficientes, disse Luiz Tadashi Akuta, gerente de desenvolvimento de negócios da Mitsubishi Electric do Brasil. “Quando bem aplicadas, as tecnologias podem levar muito mais modernização com eficiência às empresas, já que possibilitam conhecimento dos processos e otimização das linhas de produção, das quantidades estocadas, da qualidade do produto final e redução de gargalos, sendo as pontes entre as áreas produtiva e gerencial”, acrescentou Marcilio Pongitori, diretor da Shevat, empresa de projetos e treinamentos de controle de processos, elétrica, instrumentação e automação, de Campinas-SP. E Akuta finalizou: “A instrumentação ‘de ponta’ é a arma estratégica que fará diferença na competição de mercado, com eficiência e economia.”

Mesmo neste período de dificuldade econômica que o Brasil enfrenta, Pongitori justifica o investimento nesse setor: “Em uma implantação de melhoria nos processos, a I&C apresenta o menor custo no total de investimento, pois tradicionalmente representa menos de 5% do total, porém em termos de impacto no processo é a área que tem maior retorno”. De acordo com o gerente de desenvolvimento da Mitsubishi, nos momentos de crises, há necessidade de se gerenciar tudo, e isso só é possível com a I&C para obter os dados que fazem aumentar a eficiência dos processos. “O momento atual é para preparar as fábricas para ser o mais hábil possível, pois após essa fase, os que se organizaram responderão com maior velocidade e rentabilidade”, sugeriu Akuta.

Colaboraria ainda se todas as partes envolvidas com a I&C investissem em qualificação profissional e parcerias. Para Junqueira, um bom exemplo é como agem os japoneses, que “debruçam-se” sobre um problema, um produto, um ciclo de produção, uma forma de transportar mercadorias, esgotando tudo o que se pode fazer. “Isso todos nós poderíamos fazer aqui”, destacou o docente, que ainda orienta as empresas concorrentes a se unir para dominar conhecimento para concorrer com outros países. “Como engenheiro, gostaria de ver o ‘boom’ da engenharia no País, da industrialização, da exploração expressiva dos produtos”, almejou o professor.

A parceria indústria e comunidade acadêmica foi sugerida por Rodrigo Alvite Romano, doutor em engenharia elétrica e professor do Instituto Mauá de Tecnologia. “Infelizmente há uma visão equivocada de que os pesquisadores e acadêmicos não podem cooperar para resolver os problemas da indústria”, disse Romano. “Deixo algumas perguntas para os leitores da NEI refletirem: quantos profissionais existem na sua empresa com perfil para buscar soluções inovadoras? quantas vezes recorreu a uma universidade para solucionar um problema recorrente?

A experiência de Romano com esse tema mostra que há pouca interação entre os meios industrial e universitário. “Além de cooperar para a solução de problemas, essa parceria certamente colabora para a qualificação de profissionais.

Se desejar opinar sobre as questões sugeridas pelos especialistas, deixe sua mensagem aqui.


Enfrente a crise controlando melhor os seus processos

Em tempos de vacas magras, a indústria se vê desafiada a encontrar meios para reduzir custos de produção, cortar gastos supérfluos, eliminar desperdícios e aumentar a eficiência produtiva. Resumindo, controlar melhor os processos é uma das saídas para a crise e certamente a mais importante. O controle eficiente dos processos de produção deve ser uma meta permanente, em qualquer tempo, e é o grande diferencial das empresas bem-sucedidas. Felizmente, nunca foi tão grande a presença de produtos e sistemas oferecendo soluções, das mais simples às mais sofisticadas. Mais uma vez, a tecnologia se mostra aliada da indústria.

edição de dezembro da Revista NEI, na seção Instrumentação e Controle, uma variada seleção de sensores, controladores e sistemas supervisórios alinhados à Indústria 4.0 que vão ajudar na busca da melhor solução para indústrias de pequeno, médio ou grande porte. Não importa o tamanho do desafio, haverá sempre uma solução a um custo compensador. A difusão de tecnologias novas, como comunicação wireless, armazenamento de informações na nuvem e aumento de capacidade dos sistemas digitais, tem transformado de tal forma os recursos de instrumentação e controle, que muitos consideram se tratar de uma nova revolução industrial.

Ao contrário do que se possa imaginar, estar alinhado a essas novas tecnologias não é difícil, nem tão dispendioso. Talvez o mais difícil seja dar o primeiro passo. A indústria do futuro será mais produtiva principalmente porque poderá contar com formas mais eficientes de medir e controlar os processos de produção, produzindo mais e a custos menores. Como podemos ver, investir agora nessas tecnologias, além de nos blindar contra crises, também nos deixa mais competitivos e capacitados a enfrentar qualquer concorrência.

Na verdade, muitas empresas já vêm investindo nessa direção, conforme indica a Pesquisa Mensal de Produção Física do IBGE: em relação a 2014 houve aumento de 5,5%  na produção Bens de Capital para Fins Industriais – Seriados (apesar da crise). Isto é uma pista de que, embora os índices de consumo tenham caído, produtos destinados a melhorar a eficiência na indústria estão em alta – provavelmente seu concorrente já está investindo para ser mais competitivo.

Enfim, não adianta parar e esperar a economia entrar nos eixos, é mais garantido tomar a iniciativa e acreditar na própria capacidade de resolver problemas. Investir em tecnologia tem se mostrado a estratégia certa para superar obstáculos e crescer, mesmo em tempos difíceis. É preciso se manter informado sobre o que há de mais novo e moderno no mercado; por isso a Revista NEI traz todos os meses uma seleção do que há de melhor no mercado de máquinas e equipamentos para a indústria.


VW investe R$ 10 milhões em instrumentação e controle

6, agosto, 2013 Deixar um comentário

A Volkswagen (VW) de São Bernardo do Campo (SP) investiu R$ 10 milhões em novos equipamentos para realização de testes nos veículos em produção. A ideia da montadora é deixar ainda mais preciso os processos de aferição de geometria de suspensão, alinhadores de farol, cabines para simulação de rodagem e sistemas de testes elétrico e eletrônico. “Os novos equipamentos vão garantir, por exemplo, a simetria ainda mais precisa ao veículo com os ajustes eletrônicos, feitos por câmeras digitais, que detectam o posicionamento correto das rodas por feixe de luz”, enfatiza Celso Placeres, diretor de engenharia de manufatura da VW.

Além dos novos equipamentos, para garantir a precisão dos processos, a VW utiliza dispositivo digital para alinhamento do volante, torquímetros digitais e sistemas de segurança para o operador.  Todos os testes emitem protocolo, possibilitando, por exemplo, o rastreamento de dados.

Fonte: com informações da Automotive Business


Agosto 2013: os produtos que estamparam a capa da Revista NEI

6, agosto, 2013 Deixar um comentário

A edição de agosto da revista NEI, além de trazer mais de 200 lançamentos de produtos, destaca 64 produtos relacionados à área de Instrumentação e Controle. Entre os destaques desta seção especial, estão o monitor de lubrificantes que controla o estado de antioxidantes, o transmissor de pressão com exatidão de ±0,5% e o relógio de ponto biométrico que atende a Portaria 1510.

Neste mês, a revista também publica o artigo sobre o primeiro transistor 3D construído no Brasil, numa parceria entre a USP, Unicamp e FEI, abrindo novas possibilidades para a geração futura de celulares, tablets e outros equipamentos que exigem grande capacidade de memória e elevadas velocidades.

Abaixo, você confere os produtos que estamparam a capa desta edição:

 

analisador_combustãoAnalisador de combustão é certificado para SIS
Instrumento independentemente certificado para implementação do SIL-2 em Sistemas Instrumentados de Segurança (SIS), o Thermox® WDG-V monitora gases úmidos ou secos, para verificar se há excesso de oxigênio, e também a presença de metano para a segurança da ativação dos queimadores. Veja mais.

 

 

acoplamento_eixoAcoplamento de eixo com medição de binário integrada
É indicado para aplicações em bancos de testes, máquinas extrusoras ou máquinas seriadas em que é necessário o monitoramento do seu estado. Baseado em acoplamento de disco, que garante alto desempenho dinâmico e repetitividade, o acoplamento de eixo para medição de torque Mayr ROBA®DSM possibilita alterar os diâmetros e as distâncias, além de permitir a montagem do estator em qualquer posição. Veja mais.

 

encoder_indutivo

 

Encoder indutivo mede movimento rotativo sem contato
De operação sem desgaste, livre de interferências e com grau de proteção IP 67 e IP 69K, o modelo RI360P-QR24 efetua a medição do movimento rotativo totalmente sem contato, mantendo alta resolução. Possui sistema de parametrização inteligente que também pode ser efetuada via I/O Link. Veja mais.

 

 

 

scanner_tridimensionalScanner tridimensional possui precisão de ±1,5 µm
Indicado para aquisição dimensional de alta precisão, o LC-10 possui chassi composto com liga de alumínio aeroespacial, sustentando sistema com acionamento integrado, isento de desgaste. Assegurando resolução até 0,02 µm ao longo dos eixos X e Z, tem amplitude de excursão vertical (Z) e horizontal (X) total de 225 mm. Veja mais.

 

 

 

software_usinagemSoftware de usinagem provê percursos de 5 eixos simultâneos
Com apenas seis caixas de diálogo, o WorkNC Auto 5 permite aos programadores transformar automaticamente percursos de usinagem de 3 e 3+2 eixos em percursos de 5 eixos simultâneos. Possibilita o controle automático e dinâmico dos percursos para evitar colisões e gerenciar os limites de curso e rotação específicos de cada máquina. Veja mais.


Instrumentação & Controle – faltam profissionais para expandir o wireless

Com a crescente necessidade de automatizar as linhas de produção, os novos instrumentos têm evoluído muito nos últimos anos. A expansão do wireless se explica nesse contexto. “O uso dessa tecnologia vem tomando impulso, indicando que teremos implantações cada vez mais complexas”, comentou o engenheiro Marcílio Antonio Viana Pongitori, diretor da Shevat Engenharia e Treinamento e mestrando em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp.

Um caso bem-sucedido de aplicação dessa tecnologia, segundo o engenheiro, está nos sistemas para pátios de tanques em refinarias ou terminais de carga, onde se conseguiu reduzir os custos com fiação de transmissão e alimentação dos instrumentos. Outro exemplo bem-sucedido é o dos gasodutos, instalados a grandes distâncias em lugares sem disponibilidade de alimentação elétrica. Para ele, outro setor que começa a movimentar o mercado é o de segurança com wireless. Em áreas de processos com risco de explosão, eles poderiam ser atendidos por transmissores sem fios. Os circuitos elétricos desses equipamentos são de baixo potencial energético para desencadear faíscas.

De acordo com Pongitori, a demanda dessa tecnologia é crescente. Existem pedidos de aplicação de wireless em diversos projetos de vários segmentos industriais no Brasil e no exterior. Porém, segundo ele, falta informação. “Existe no mercado carência de profissionais que detenham todos os conhecimentos necessários para a correta aplicação, como instrumentação, antenas, telecomunicações e distorções de sinais no ambiente”, disse o especialista, completando que os que atuam nessa área são autodidatas ou obtiveram conhecimento por meio de cursos ministrados por empresas.

Para o engenheiro, é preciso que a médio prazo existam cursos que abordem os conhecimentos necessários para o desenvolvimento de projetos com essa tecnologia, o que permitiria ao Brasil participar em igualdade com os países tradicionais de pesquisa e implantação de produtos.

Novo debate
Ainda segundo Pongitori, outro tema na área de instrumentação e controle que começa a ser discutido com profundidade é a duração das baterias em transmissores de sinais, equipamentos concentradores de sinais de campo, repetidores de sinais de campo e sistemas de telefonia móvel, por exemplo. Esse assunto tem despertado nas empresas e nos órgãos certificadores um trabalho de pesquisa de novas soluções para ampliar a vida útil das baterias.

A Central de Geração de Conteúdo de NEI Soluções pesquisou  novos  lançamentos da área de instrumentação e controle. Para acessá-los, clique aqui.


Máquinas e equipamentos da indústria do plástico – mercado em crescimento

5, maio, 2011 2 comentários

Principal evento do setor na América Latina, a Brasilplast – Feira Internacional da Indústria do Plástico, em sua 13ª edição, ocorre de 9 a 13 de maio, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo, e deve reunir 1.300 expositores de 63 países.

A Brasilplast vai oferecer aos visitantes toda a cadeia de suprimentos, máquinas e equipamentos da indústria do plástico, com novidades nos segmentos de moldes e ferramentaria, instrumentação e controle, automação, resinas sintéticas, matérias-primas químicas e acessórios.

Os materiais plásticos estão sendo muito utilizados nas diversas áreas da indústria, inclusive substituindo outros materiais, particularmente metal, vidro e madeira. Prevê-se, segundo a Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico, que em 2011 a produção de produtos plásticos, no Brasil, deve crescer 6% em relação a 2010.

A Conferência Brasilplast 2011, que acontece simultaneamente à Feira, vai debater três temáticas relevantes e atuais do setor: Mercado e Negócios, Sustentabilidade na Cadeia do Plástico e Inovações e Tecnologia.

Neste link, você conhecerá 43 novos produtos que serão apresentados na Feira, soluções que irão contribuir para a modernização dos seus processos de produção.

Crédito: Lilian Mary Gabriel Lopes é graduada em língua portuguesa pela USP e pós-graduada em literatura brasileira pela UFRJ.


Mais de US$ 10 milhões serão investidos em Instrumentação e Controle

Segundo o Estudo de Intenção de Compras da Indústria Brasileira 2010/2011, realizado por Sistema NEI, 18,3% da amostra de seus leitores preveem investimentos superiores a US$ 10 milhões na aquisição de instrumentos de medição e controle.

Com a expansão dos sistemas de controle nas plantas industriais e das novas tecnologias aplicadas aos produtos desse segmento, modernizar-se tornou-se condição essencial para a empresa que pretende manter-se competitiva e aproveitar as oportunidades que serão geradas pelas grandes obras previstas a partir de 2011 no País.

Para atender essa parcela significativa de nossa circulação qualificada, o Depto. Editorial pesquisou junto às empresas do setor os novos produtos de instrumentação e controle que estão chegando ao mercado.

O resultado você confere acessando esta seção especial.