Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Pernambuco’

R$ 156,2 mi: investimentos logísticos em Pernambuco e São Paulo movimentarão mais de 2.000 empregos

O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES aprovou financiamento de R$ 156,2 milhões à JSL S/A, do Grupo Simpar. Os recursos correspondem a 79,7% dos investimentos em transferência de porto seco, ampliação de armazéns, reforma de centros de distribuição, modernização da estrutura administrativa e desenvolvimento de projetos sociais.

Em Pernambuco, o porto seco da JSL será transferido de Recife para o Cabo de Santo Agostinho, onde terá 33,5 mil m². O armazém de carga seca e a câmara frigorífica da Schio, outra empresa do Grupo Simpar, no Cabo de Santo Agostinho, também serão ampliados. O objetivo, além de aumentar a capacidade operacional dos empreendimentos, é formar um complexo logístico no entorno do porto de Suape.

Com a criação do Porto Seco – que será denominado Zona Secundária – será possível oferecer armazenagem com menor custo, e os produtos poderão ser armazenados até 2 anos, diferente dos 120 dias da atual Zona Primária. Nesse entreposto aduaneiro, também haverá espaço para a Receita Federal, Anvisa e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Estima-se que a nacionalização de produtos ocorra em 15 dias, frente os 30 dias que atualmente são necessários em Suape.

Distribuição.  Parte do investimento será destinado para reformar os três galpões de São Paulo da JSL: o galpão de Piracicaba, que atende a Caterpillar; as instalações de São Bernardo do Campo, que prestam serviço a clientes como Whirlpool, Ford e Toyota; e os armazéns de Sorocaba, usados pela CNH (Grupo Fiat) e Toyota.

Novo prédio. Em Mogi das Cruzes (SP), sede da empresa, será erguido um novo prédio de escritórios, enquanto o já existente será reformado e terá sua área ampliada. Atualização de hardware, software e infraestrutura de comunicação para instalação de um novo sistema de gestão integrada também está prevista.

Durante a implantação, o projeto empregará diretamente 255 trabalhadores e indiretamente outros 528. Na fase operacional, serão gerados 752 empregos diretos e 478 indiretos.

Nova fábrica da Fiat em PE deve iniciar operações em 2015

Já estão aprovados R$ 2,4 bilhões pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES para a construção da nova fábrica da Fiat, com capacidade para 250 mil unidades por ano, no município de Goiana, em Pernambuco. As obras civis deverão ser concluídas no primeiro semestre de 2014 e a planta deve iniciar as operações no primeiro semestre de 2015. O projeto inclui a produção de novos modelos para o mercado nacional e internacional.

O projeto impacta sobre as encomendas da indústria de bens de capital, devido ao elevado volume de máquinas e equipamentos nacionais, que representará investimentos de cerca de R$ 2,8 bilhões.

O projeto contempla a instalação de fábrica de motores, campo de provas (com 11 tipos de pistas e diferentes pavimentos para testes tecnológicos, além de oficinas e escritórios), parque de fornecedores para o desenvolvimento de novos veículos e investimentos sociais. Estima-se que serão gerados 4,5 mil empregos diretos e 12 mil indiretos no novo polo automotivo, que ocupará 3,3 milhões de m2. A fábrica de motores terá 50 mil m2 e deverá fabricar 150 mil motores por ano.

Complexo industrial portuário em Pernambuco recebe R$ 920 mi para obras

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES aprovou financiamento de R$ 920,3 milhões para o Governo do Estado de Pernambuco implantar o Programa de Desenvolvimento da Infraestrutura de Áreas Portuárias no Complexo Industrial Portuário Governador Eraldo Gueiros (Suape).

Além de intervenções portuárias, rodoviárias, ferroviárias e retroportuárias, o projeto prevê a construção do Centro de Tecnologia Ambiental, onde serão desenvolvidos estudos sobre recuperação de áreas degradadas e a produção de mudas. A expectativa é de que as obras gerem em torno de dois mil empregos.

Fonte: com informações da Agência Brasil.

Senai investe para atender qualificação da classe C

Entre maio de 2004 e setembro de 2010, cresceu 83% o número de brasileiros que frequentou cursos de educação profissional, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas – FGV em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Senai.

De acordo com o estudo, nomeado “As razões da educação profissional: olhar da demanda”, jovens, mulheres, negros e moradores das regiões periféricas em grandes capitais são os que mais procuram esse tipo de formação. “A onda jovem está acontecendo de maneira sustentável. A classe C busca se qualificar para obter emprego e, dessa forma, sustentar suas novas aspirações. Nesse contexto, a indústria é um dos atores importantes e capazes de induzir esta mobilidade”, diz Rafael Lucchesi, diretor-geral do Senai.

A crescente procura por cursos de educação profissional, somada ao elevado número de projetos industriais já implantados ou em fase de construção em Pernambuco, justificaram o recente anúncio de Robson Braga Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria – CNI. O SENAI vai investir R$ 170 milhões em Pernambuco, destinados à qualificação de mão de obra e à inovação tecnológica.

Segundo dados da CNI, os setores automotivo, farmacoquímico, naval e refino de petróleo vão gerar mais de 30 mil empregos diretos ao estado.

O programa prevê a construção de três novas escolas técnicas do Senai: em Jaboatão dos Guararapes (R$ 52 milhões), Goiana (R$ 21,5 milhões) e Ipojuca (R$ 16 milhões). Além disso, três unidades do Instituto Senai de Tecnologia serão criadas – em Petrolina, de alimentos e bebidas; em Paulista, de química; em um município a ser escolhido, de automação.

Serão ainda investidos cerca de R$ 50 milhões na implantação do Instituto SENAI de Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação, objetivando apoiar o polo de Tecnologia da Informação – TI já em operação no Estado.

Com esses investimentos, o presidente da CNI espera dobrar o número de matrículas no Estado, passando de 45 mil para 90 mil, até 2013. “Pretendemos não só treinar e qualificar profissionais, mas trabalhar junto com a indústria no desenvolvimento de tecnologia e inovação tecnológica”, finaliza.