Arquivo

Textos com Etiquetas ‘profissão’

Inovação, energia e tecnologia são exigências das novas e futuras profissões

26, agosto, 2012 Deixar um comentário

Segundo o Ministério do Trabalho dos Estados Unidos, 65% dos atuais estudantes do ensino básico deverão iniciar carreira em profissões que sequer existem. “Novas estratégias são requeridas para achar e formar esses novos talentos”, avalia Hugo Franco Barbieri, sócio-diretor da Horton International, empresa especializada em Searching.

A pesquisa americana reflete também o que está acontecendo no mercado brasileiro. Temas destacados recentemente, como inovação, sustentabilidade e computação em nuvem, aliados à modernização da economia brasileira, acabaram criando novas profissões – que devem ocupar cada vez mais espaço nos próximos anos. Três delas merecem destaque:

Consultor de inovação
Somente em 2012, são R$ 10 bilhões previstos de incentivos governamentais para o mercado brasileiro. Encontrar profissionais para identificar, desenvolver e justificar projetos tornou-se um desafio para empresas e consultorias. Segundo relatório do Ministério de Ciência e Tecnologia, aumentou 25% o número de empresas que solicitaram benefícios para investir no desenvolvimento de novos produtos e projetos no País. Antes tratada como um dom, a inovação atualmente é ensinada e praticada em universidades e empresas.

A consultoria francesa Global Approach Consulting – GAC, recém-chegada ao Brasil, abrirá 70 vagas de trabalho neste ano e já enfrenta dificuldades para encontrar profissionais qualificados. “Na França, por exemplo, a nossa empresa conta com 180 PHDs [em inovação]”, diz André Palma, diretor da GAC Brasil.

Comercializador de energia
O mercado livre de energia, sistema que permite às grandes empresas escolher a sua concessionária de energia independente do local, chegou ao Brasil em 2002. Consequência disso é o surgimento de uma nova função no setor elétrico brasileiro: o comercializador de energia. Trata-se de empresas que negociam contratos bilaterais e representam atualmente 27% da energia consumida no Brasil, movimentando um mercado estimado em R$ 30 bilhões.

E, mesmo dez anos depois, ainda é um desafio encontrar profissionais para esse segmento. Inclusive, sabendo disso, a Associação Brasileira de Comercializadores de Energia – Abraceel, em parceria com a Universidade de São Paulo – USP, lançou um modelo de certificação para futuros profissionais dessa área. “É uma carreira promissora, com salário elevado”, avalia Reginaldo Medeiros, presidente da Abraceel.

Programadores para plataformas móveis
Computação em nuvem, redes sociais, smartphones, tablets e outras novas tecnologias transformaram o modo da comunicação corporativa e pessoal. Hoje já é possível acessar sistemas e informações de onde, quando e como quiser. Encontrar profissionais capazes de programar sistemas compatíveis com as diferentes linguagens exigidas pelos diversos tipos de aparelhos é o obstáculo a ser superado.

A Keyrus, consultoria especializada em Business Intelligence, que lançou recentemente sistemas baseados em computação em nuvem, admite a necessidade e a dificuldade em encontrar programadores multimídia. “Precisamos manter e expandir os talentos da nossa equipe, o que exige encontrar e formar esse novo profissional”, revela Cezar Santos, diretor de inovação e tecnologia da Keyrus Brasil.


A real empregabilidade

25, agosto, 2011 1 comentário

Profissionais que não apresentam resultados claros e consistentes têm dificuldades para permanecer e, especialmente, alçar vôos mais altos em organizações onde são avaliados e remunerados pela performance. 

A acirrada competitividade existente trouxe uma série de reflexos na relação entre as empresas e seus colaboradores. A mais expressiva delas e que você já deve estar sentindo em maior ou menor grau é a pressão por resultados expressivos.

Se o baixo desempenho antes era bem disfarçado pelo grande número de horas trabalhadas (sinônimo de comprometimento até então), por relações onde a subserviência prevalecia e por gestores que não se preocupavam em mensurar a real contribuição de cada colaborador, hoje a realidade é diferente. Profissionais que não apresentam resultados claros e consistentes têm dificuldades para permanecer e, especialmente, alçar voos mais altos em organizações onde são avaliados e remunerados pela performance.

Quando as empresas enviavam determinado funcionário para um curso a única obrigação deste era ser assíduo ao evento pouco importando o que aprendesse, já que provavelmente ninguém iria perguntar-lhe coisa alguma a respeito. Hoje, esta mesma pessoa sabe que seu papel de multiplicador implicará transmitir aos demais os conhecimentos obtidos.

Apenas um exemplo de inúmeros que poderiam ser mencionados para reforçar um modelo de gestão que tem sido implantado até mesmo nas organizações públicas, aonde avaliações de desempenho periódicas agora assustam aqueles que acreditavam estar protegidos pelo silencioso pacto de mediocridade. É claro que tais mudanças têm sofrido resistência, mas já se pode afirmar que este é um caminho sem volta.

No entanto, o que geralmente impede alguém de alcançar resultados fantásticos? O principal motivo já comprovado por pesquisas é a falta de foco, principalmente quando as metas da organização e seus desdobramentos no âmbito individual e por equipe não são visíveis para as pessoas. Neste caso é comum que muitas coisas sem a menor importância ocupem grande parte da rotina diária do trabalhador.

Também não se pode esquecer que nem sempre as pessoas são capazes de entregarem aquilo que se espera delas por falta de competência técnica ou aptidão para atingir determinado alvo. É o caso de alguém que insiste em ser jóquei mesmo pesando mais de 100 kg e com altura superior a dois metros. É melhor cavalgar como hobby e escolher outra profissão.

O grau de motivação também é decisivo para uma boa performance. Muitas pessoas que conhecem suas metas e têm grande potencial não atingem resultados fabulosos simplesmente porque não conseguem impingir grande significado ao seu trabalho. Por conseguinte, estão ali enquanto não encontrarem algo melhor, como afirmam costumeiramente.

Por fim, o profissional deve manter a consciência de que não basta obter um único resultado extraordinário, é necessário ser consistente. Adhemar, Rodrigo Fabri, Dimba e Josiel foram artilheiros do campeonato brasileiro de futebol em 2000, 2001, 2003 e 2007, respectivamente, contudo nenhum deles é reconhecido pelo grande público a não ser por torcedores apaixonados do São Caetano, Grêmio, Goiás e Paraná Clube.

Os resultados de ontem dão uma ideia acerca do que você pode fazer no futuro, isto é, servem para avaliar o seu potencial. Só isto, pois em tempos de constantes rupturas, a experiência de ontem poderá ter pouco valor ou até mesmo precisará ser “esquecida”. É o que acontece quando você usa o tablet da primeira vez e percebe que a habilidade de digitação no laptop tem limitada utilidade dentro deste novo paradigma.

Os resultados mais valiosos que você possibilitou à sua empresa nos últimos meses e aqueles que vislumbra conquistar daqui adiante é que lhe garantirão uma carreira de sucesso, afinal de contas – aos olhos do mercado – empregáveis são as pessoas que marcam gols corporativos seguidamente e, se possível, nos campeonatos mais disputados.

Artigo escrito por Wellington Moreira, palestrante e consultor empresarial.

Via Administradores.

Links relacionados:
Gerenciar o fluxo de valor pode criar seu diferencial no mercado
Cursos e eventos

Estudantes e profissionais preparados para atuar no mercado industrial

22, setembro, 2010 Deixar um comentário

NEI participou da IV Semana da Educação Ciência e Tecnologia promovendo a palestra “Profissão e informação: Sugestões para crescer numa era revolucionária” aos estudantes e profissionais do ISFP – Instituto Federal de São Paulo e também com um estande no qual os participantes do evento puderam ter contato com os produtos do Sistema NEI e, em especial, com o site NEI.COM.BR. No site NEI os visitantes puderam experimentar e testar as funcionalidades que facilitam a busca por informação industrial de qualidade, atualizada e gratuita, como os filtros de buscas, por exemplo.

 

 

Além de NEI, outras importantes empresas do segmento industrial estiveram presentes no evento. A SEW Eurodrive, por exemplo, esteve presente com um estande apresentando seus produtos.

A empresa A Cabine também fortaleceu e apoiou o futuro do mercado industrial marcando presença no evento.

Outra indústria participante foi a Minipa, que realizou a palestra “Instrumentação eletrônica”, ministrada pelo o Prof. Eng. Valentino Álvaro Fazan.

 E a empresa WEG apresentou o minicurso “Métodos de partidas e relé inteligente”.

Promover educação industrial, como NEI e todas essas empresas fizeram, é contribuir com o futuro do mercado industrial brasileiro, ajudando a preparar profissionais mais qualificados para atuar diante da competitividade e estimulando empresas mais competentes no quesito “inovação”.

Atitudes de incentivo a educação como essa fazem parte da responsabilidade social que vislumbra a indústria brasileira cada vez mais auto-sustentável. Parabéns ao ISFP, às empresas participantes e boa sorte aos estudantes e profissionais da indústria!

Crédito: Suzie Clavery Caldas é graduada em desenho industrial com especialização em design gráfico e pós-graduada em Marketing pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.


Profissão e informação: sugestões para crescer numa era revolucionária

21, setembro, 2010 Deixar um comentário

Com o tema “Profissão e informação: Sugestões para crescer numa era revolucionária” o Diretor Editorial de NEI, Alípio do Amaral Ferreira, palestrou hoje na IV Semana de Educação, Ciência e Tecnologia do ISFP – Instituto Federal de São Paulo.

O objetivo da palestra foi mostrar aos jovens os desafios das profissões atuais e futuras quando falamos de informação. Isso porque as profissões estão mudando muito e de forma acelerada, os profissionais de hoje sofrem uma avalanche de informações diárias e rapidamente estão desatualizados.  As pessoas já não detêm mais todo o conhecimento de um determinado assunto. Não há mais um “gênio” capaz de armazenar todo o conhecimento para si.

Por exemplo, se procurarmos pela palavra “Engine”em algum buscador comum teremos mais de 371 milhões de resultados! Certamente vamos nos perguntar:  “E agora?”O volume de informação é gigantesco e hoje o profissional que tem mais potencial no mercado de trabalho não é aquele que sabe tudo, mas aquele que sabe onde encontrar a informação certa na hora exata.

É isso que o Sistema NEI oferece ao mercado industrial: informação de qualidade, atualizada, gratuita para ser encontrada quando e onde os profissionais precisarem. Seja através da edição impressa de NEI – Noticiário de Equipamentos Industriais, da edição especial NEI TOP FIVE, do site NEI.COM.BR, da versão mobile do site NEI, do NEI News, etc. A mídia não importa. O importante é que os profissionais  e futuros profissionais saibam que NEI tem como princípio levar a melhor informação industrial até eles para que eles tenham sucesso no mercado de trabalho.

 

Crédito: Suzie Clavery Caldas é graduada em desenho industrial com especialização em design gráfico e pós-graduada em Marketing pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.