Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Sucroenergético’

Congresso sobre automação aplicada ao setor sucroenergético será realizado durante a Fenasucro

Em 28 e 29 de agosto, ocorrerá o 1º Congresso de Automação e Inovação Tecnológica Sucroenergética, durante a Fenasucro 2013 – Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética, em Sertãozinho-SP. Envolverá os temas: segmento sucroenergético, técnicas de controle avançado de processos, instrumentação analítica, projetos de sistemas de controle, sistemas de segurança, wireless e tendências. Na ocasião, serão apresentados 16 trabalhos. O congresso é promovido pela ISA Sertãozinho.

Marco César de Oliveira, presidente da ISA Sertãozinho, disse que, para a cidade e a região, o evento colaborará para avançar a integração entre indústria e academia, proporcionando mais oportunidades de desenvolvimento. Para mais informações, clique aqui.


Boas notícias para a agroindústria

Com investimentos de R$ 136 bilhões, o Plano Agrícola e Pecuário 2013/2014 prevê 18% a mais de recursos em comparação à safra que se encerra. O volume disponibilizado está distribuído em R$ 97,6 bilhões para financiamentos de custeio e comercialização e R$ 38,4 bilhões para programas de investimento. A taxa de juros anual média será de 5,5%, podendo chegar a 3,5% em programas de aquisição de máquinas agrícolas, equipamentos de irrigação e estruturas de armazenagem.

Faz parte do plano o lançamento do Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica da Produção Agropecuária – Inova Agro, que destinará R$ 3 bilhões, sendo R$ 2 bilhões para pesquisa e desenvolvimento de máquinas e equipamentos e R$ 1 bilhão para que os produtores rurais incorporem novas tecnologias. Um dos temas ligados a esse programa é a Agricultura de Precisão. O dinheiro do Inova Agro sairá da Financiadora de Estudos e Projetos – Finep e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES.

Para Luiz Aubert Neto, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq, a agricultura brasileira é uma das mais competitivas e produtivas do mundo. “Um exemplo é o setor de máquinas e implementos agrícolas, também representado pela associação, que diferentemente dos demais setores vive momento de plena produção, fruto de eficaz política agrícola.” 

A indústria brasileira de máquinas e equipamentos agrícolas encerrou 2012 com receita bruta de R$ 11,2 bilhões, crescimento de 13% sobre o desempenho do ano anterior, segundo a Abimaq. Para 2013, a estimativa de aumento é de 10% a 15%.

Dados da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da Abimaq apontam que, de janeiro a maio deste ano, o faturamento nominal foi de R$ 4,8 milhões, crescimento de 15,6% em relação ao valor do mesmo período de 2012; as exportações somaram US$ 392 mil e as importações, US$ 260 mil.

Além disso, outra boa notícia é que a sexta estimativa do ano da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizou 185,7 milhões de toneladas. Caso se confirme, será 14,7% superior à obtida em 2012. A previsão da área a ser colhida em 2013, de 52,6 milhões de hectares, cresceu 7,8% frente à área colhida em 2012. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos desse grupo, que somados representam 92,2% da estimativa da produção e respondem por 86,2% da área a ser colhida. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Para completar o quadro positivo, as vendas internacionais do agronegócio brasileiro foram recordes. Conforme o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Brasil exportou US$ 100,61 bilhões em produtos durante a safra 2012/13 (julho de 2012 a junho deste ano), o que representou crescimento de 4,2% em relação ao mesmo período anterior. O superávit comercial do setor também atingiu novo recorde, somando US$ 83,91 bilhões.

“O resultado deve-se ao crescimento das vendas externas dos principais complexos agropecuários, como carnes e sucroalcooleiro, e principalmente de cereais, que aumentaram 115% no período”, afirmou o ministro Antônio Andrade. Em relação aos cereais, destaque para o aumento de 211,5% das vendas de milho, que passaram para 26,44 milhões de toneladas na temporada 2012/13.

Para o setor sucroenergético, a Companhia Nacional de Abastecimento – Conab prevê que a produção brasileira de cana deve crescer 11% na safra 2013/14, atingindo 653,8 milhões de toneladas (levantamento realizado em março). No etanol, o crescimento esperado alcança 8,99%, com a produção passando de 23,64 bilhões de litros para 25,77 bilhões.

Algumas ações são implementadas para fomentar a competitividade e o desenvolvimento do etanol no Brasil. Uma delas é o aumento do percentual de mistura de etanol anidro à gasolina de 20% para 25% que está em vigor desde 1º de maio. Outra é a redução dos juros do Prorenova, linha de financiamento BNDES para renovação e implantação de novos canaviais. Com recursos de R$ 4 bilhões, o programa tem taxa de juros de 5,5% ao ano, ante 8,5% a 9,5% que vigoraram no ano passado. O prazo de pagamento é de 72 meses, com 18 meses de carência. Além disso, há estudos para desenvolvimento de tecnologias para produção do etanol celulósico, que utiliza matérias-primas vegetais, com baixo custo.


Núcleo de Apoio à Inovação para a Sustentabilidade no Setor Sucroenergético é criado e promete beneficiar 80 grandes empresas

A Universidade Estadual de Campinas, a Universidade de São Paulo, a Universidade Federal de Pernambuco, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar e a Embrapa anunciaram o Núcleo de Apoio à Inovação para a Sustentabilidade no Setor Sucroenergético – Nagise. O objetivo é unir – de outubro de 2013 a abril de 2014 – um grupo de 30 pesquisadores das instituições envolvidas e empresários do setor para, por meio de capacitação e diagnóstico das demandas por tecnologia e inovação, estabelecer um plano de inovação que resulte em maior competitividade em escala nacional e global, fortalecendo o setor na matriz energética brasileira. Segundo o Nagise, a previsão é beneficiar 80 empresas de grande porte do segemnto sucroenergético, como Raízen, Bunge e GranBio.

O núcleo integra o Programa Nacional de Sensibilização e Mobilização para a Inovação, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Além disso, o Nagise faz parte da Mobilização Empresarial para a Inovação, da Confederação Nacional da Indústria – CNI, iniciativa que disponibilizou cerca de R$ 50 milhões para a estruturação e operação de Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação – Nagis em empresas brasileiras.


Evento proporciona debate sobre recursos humanos em indústrias

Em 22 de maio, em Sertãozinho-SP, será realizado o II Seminário da Indústria com o tema “Recursos humanos estratégicos”, em comemoração ao Dia da Indústria (25 de maio). O evento é realizado pelo Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis – Ceise Br, Comitê de Recursos Humanos do Ceise Br e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo – Ciesp Sertãozinho. Podem participar profissionais das empresas associadas e não sócias.

Para José Darciso Rui, coordenador do comitê, a proposta é de extrema importância diante do atual cenário econômico. “Muito se fala em recursos humanos estratégicos, mas muitas empresas e profissionais ainda não colocam o tema em prática, devido à carga operacional dessa área. É preciso compreender que recursos humanos estratégicos se referem a recursos humanos de resultados. Resultados mensuráveis, consistentes e não abstratos”, disse Rui.

Na ocasião, haverá um painel com o tema “Os desafios das empresas frente às atuações da Justiça e do Ministério Público do Trabalho”. Será ministrada uma palestra sobre empreendedorismo, com Ruy Shiozawa, CEO do Great Place to Work Institute Brasil e diretor de relações empresariais da Associação Brasileira de Recursos Humanos – ABRH-Nacional; e outra palestra com o tema “Sucessão familiar e governança”, com Cícero Domingos Penha, vice-presidente corporativo de talentos humanos do Grupo Algar e presidente da Universidade Algar. O evento contará também com apresentação dos projetos, ações e objetivos do comitê e das contribuições para as empresas associadas.

O seminário reunirá diretores e representantes de recursos humanos de empresas associadas e não sócias do Ceise Br, de Sertãozinho e região, lideranças políticas e empresariais interessadas na promoção do setor.

Sócias do Ceise Br e Ciesp Sertãozinho receberão cortesias (uma para cada empresa), mediante confirmação de presença até 15 de maio, pelo (16) 3945-5422 ou administrativo@ceise.com.br. Por cada convite adicional será cobrado o valor de R$ 70,00. As não associadas também podem participar. Mais informações ainda pelo (16) 3945-5422. A organização do evento é da Reed Exhibitions Alcantara Machado.


Aumento do percentual de etanol na gasolina deve impulsionar os negócios do setor sucroenergético

Há dois anos amargando prejuízo, o setor sucroenergético brasileiro comemora o anúncio de que o governo federal pretende, a partir de maio, elevar de 20% para 25% a mistura de etanol na gasolina. A medida promete melhorar toda a cadeia produtiva do segmento, hoje formada por 450 usinas, 80 mil fornecedores de cana-de-açúcar, 4 mil indústrias de máquinas, equipamentos e logística, com 2,5 mil trabalhadores, de acordo com dados da Faculdade de Administração, Economia e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP).

“Há muito tempo alertamos o poder público para a necessidade de unir forças, no sentido de ampliar as políticas de incentivo. Com a medida anunciada pelo ministro Edson Lobão, a tendência é melhorar o cenário para um setor que há dois vem amargando prejuízos”, avalia Antônio Eduardo Tonielo Filho, presidente do Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis – Ceise Br.

Segundo o terceiro levantamento sobre cana-de-açúcar da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab, divulgado em dezembro de 2012, a produção de etanol deve ter fechado o ano com 23,62 bilhões de litros. Deste total, 9,66 bilhões de litros foram de etanol anidro e 13,96 bilhões de litros de etanol hidratado. São Paulo, com 50,15%, é a região que mais produz etanol no Brasil. Hoje, o Brasil é o maior produtor e exportador de açúcar e o segundo maior produtor de etanol do mundo.

Fenasucro
A notícia também anima os promotores da Fenasucro – 21ª Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética. Promovida pela Reed Multiplus e com realização do Ceise Br, de 27 a 30 de agosto, no Centro de Eventos Zanini, em Sertãozinho, a edição de 2013 terá uma área de 60 mil m² e pretende superar o número de 500 expositores e 30 mil visitantes.

FENASUCRO – 21ª Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética
Data: 27 a 30 de agosto de 2013
Horário: 13h às 20h
Local: Centro de Eventos Zanini, Sertãozinho, São Paulo
Mais informações em www.fenasucro.com.br


R$ 2,2 bi em negócios e mais de 32 mil visitantes de 40 países resumem o resultado da Fenasucro & Agrocana 2012

Recém-terminada, a Fenasucro & Agrocana 2012 – XX Feira Internacional da Indústria Sucroalcooleira e X Feira de Negócios e Tecnologia da Agricultura da Cana-de-Açúcar, recebeu 32.914 visitantes de 40 países, número 15% maior em relação à edição de 2011, movimentando R$ 2,2 bilhões em negócios. Foram 530 empresas distribuídas pelos 60 mil metros quadrados de exposição. Os dados são da Reed Multiplus, do Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis – Ceise Br e do Sindicato Rural de Sertãozinho.

Somente nas Rodadas de Negócios Internacional, encontros comerciais organizados pelo Arranjo Produtivo Local do Álcool – Apla e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – Apex, foram realizados US$ 1,6 milhões em negócios e projeção de concretização de negócios para os próximos 12 meses na ordem dos US$ 375 milhões. Aconteceram 448 reuniões entre 55 empresas brasileiras e 58 compradores estrangeiros.

Diante de uma economia instável provocada pela crise internacional, os resultados foram comemorados por Antonio Eduardo Tonielo, presidente de honra da Fenasucro & Agrocana. “A avaliação foi muito positiva e a presença de estrangeiros foi de extrema importância para ampliar os negócios”, diz.

Benefícios para a região
A Fenasucro & Agrocana 2012 gerou 13 mil empregos (diretos e indiretos). Foram R$ 19 milhões em negócios, sendo R$ 5 milhões investidos pela organizadora, a Reed Multiplus, R$ 10 milhões gastos no comércio ou nos serviços locais, e R$ 4 milhões investidos pelos expositores.

O “fim” da Fenasucro & Agrocana
Após 20 anos de Fenasucro e 10 anos de Agrocana, as feiras terão novo formato e nome em 2013. Agora chamada de Nova Fenasucro, a feira será dividida entre processos industriais, transporte e logística, setores agrícola e fornecedores industriais, contemplando a cadeia produtiva do setor sucroenergético. A ideia é unificar a Fenasucro, Agrocana e Forind SP.

Outra novidade será o layout da exposição. Separada por setores, a feira oferecerá novos acessos, nova circulação, áreas verdes e melhorias em infraestrutura. “A setorização otimiza o tempo do visitante, facilitando a procura pelos produtos e o contato com os expositores”, explica Fernando Barbosa, diretor da Nova Fenasucro.

Os encontros comerciais e os debates sobre questões técnicas e políticas do setor serão mantidos pelos organizadores.

Já marcada para acontecer entre os dias 27 e 30 de agosto de 2013, a Nova Fenasucro ocupará uma área de 60 mil metros quadrados no Centro de Exposições Zanini, em Sertãozinho (SP). A expectativa dos organizadores é reunir mais de 500 empresas e receber mais de 30 mil visitantes.