Arquivo

Textos com Etiquetas ‘treinamento’

Mais de R$ 42 mi investidos em modernização levam a Imbil a aumentar sua receita líquida em 33%

3, dezembro, 2014 Deixar um comentário

De 2010 a 2014, a empresa nacional de bombas centrífugas renovou seu parque fabril, lançou produtos e conquistou novos mercados e clientes. Tudo graças a um plano estratégico que prevê investimentos em novas  tecnologias, especialização de processos, ampliação da fábrica, reestruturação de vendas e treinamentos, e expansão para novos mercados.

Quando a crise financeira mundial eclodiu no final de 2008 e início de 2009, causando turbulências na economia de vários países, muitas empresas brasileiras suspenderam ou adiaram seus projetos de expansão e modernização, mantendo uma postura mais cautelosa. O Brasil não foi então profundamente afetado pela crise, mas registrou alguns entraves ao crescimento, como queda no consumo das famílias, redução no investimento das empresas e aumento de desemprego, levando, na época, o governo a lançar pacotes anticrise. Foi um momento de expectativa e incertezas, registradas diariamente pelos grandes veículos de comunicação, que divulgavam informações sobre o vaivém da economia. A notícia da seção de Economia/Negócios do Estadão de março/2010 é um exemplo: “PIB do Brasil fecha 2009 com retração de 0,2%, a primeira queda anual em 17 anos”.

Para algumas empresas, a crise que se estabelecia e se insinuava  na época foi encarada como oportunidade de desenvolvimento. Ou investiam para melhorar seus processos e produtos, e crescer, ou enfrentariam um período de estagnação, com consequente perda de competitividade. Ao redor do mundo muitos economistas divergem sobre a crise financeira, mas concordam que a capacidade de inovar é o diferencial mercadológico para as empresas. As companhias que acreditaram nisso foram as primeiras a elaborar ou reativar seus projetos de estímulo à inovação.

Optando por “colocar o pé no acelerador”, a fabricante nacional de bombas centrífugas Imbil encarou a desafiadora situação, utilizando a inovação como ferramenta-chave para ampliar seus negócios. A companhia elaborou o Plano Estratégico Rumo a 2015 – Inovando em Busca da Excelência que combinava investimentos em tecnologia e inovação de gestão. Graças às ações de modernização, que envolvem compra de tecnologias, especialização de processos, aumento da fábrica, expansão da atuação e treinamentos, a Imbil ampliou seu portfólio de produtos, lançando em média 60 novos modelos por ano, desde a implantação do plano, e conquistou novos mercados, como os de petróleo e gás, tornando-se, inclusive, fornecedora da Petrobras. Investiu mais de R$ 42 milhões na compra de máquinas, equipamentos e estrutura física. Alguns números comprovam que o plano de modernização ajudou a empresa a crescer: de 2011 a 2014 a Imbil registrou aumento de receita líquida de 33% e de lucro bruto de 59%.

“Quanto mais pessimista está o cenário econômico e político do País, mais cedo acordamos, idealizamos, produzimos, lançamos produtos e nos reinventamos.” Esse discurso empreendedor de Vladislav Siqueira, diretor executivo, move a empresa em seus 32 anos. Localizada em Itapira, SP, a Imbil tem hoje cerca de 900 funcionários.

O Plano Rumo a 2015
O planejamento estratégico executado previa o desenvolvimento da empresa em várias frentes, como a tecnológica, a física e a comercial. Era preciso melhorar os processos produtivos e acelerar o desenvolvimento de novos produtos, passando pela renovação tecnológica do parque fabril; reduzir perdas e garantir maior flexibilidade e agilidade aos processos – benefícios proporcionados pela descentralização e racionalização das unidades de produção.

Além disso, expandir-se para novos mercados, como os de óleo e gás, mineração, papel e celulose, e saneamento, passou a ser a meta primordial para a conquista de novos clientes. Para atingir esse objetivo, o desenvolvimento de produtos específicos e a adoção de nova política comercial precisaram ser perseguidos. O plano ainda previu o desenvolvimento de nichos específicos em mercados já atendidos pela Imbil, também a partir do desenvolvimento de soluções direcionadas. Na ponta, a reestruturação de toda a área comercial e da rede de distribuição, e o fortalecimento da marca, com o investimento em publicidade e a participação em feiras, foram determinantes para mostrar ao mercado a oferta de novas soluções e o comprometimento com a inovação.

As metas estabelecidas no início do plano exigiam decisões corajosas. Investir em novas tecnologias não era suficiente. Desde sua implantação, foi indispensável primeiramente motivar as pessoas, engajando-as e fazendo-as entender como valores da empresa as atividades que consideravam apenas prioritárias, como gestão de qualidade, processos de melhoria contínua, gerenciamento de pessoas e segurança no trabalho. O processo inovativo passava obrigatoriamente por aqui.

Considerando essas duas frentes, tecnológica e de recursos humanos, a Imbil consegue, hoje, mostrar algumas das conquistas importantes proporcionadas por esse plano estratégico.  Entre elas estão:

Produção mais eficiente
A aquisição de máquinas, equipamentos, softwares ehardwares melhorou a eficiência e agilizou a produção.Tecnologicamente mais preparada, registra lançamento médio anual de 60 novos produtos (somente com suporte ANSYS CFX e SolidWorks).

Especialização
Adquiriu know-how para dominar o processo de fundição de ligas inoxidáveis e especiais, como aços duplex, superduplex, Hastelloy, Monel e alto-cromo, permitindo maior competitividade e flexibilidade nas aplicações; e também o processo de fundição de precisão, tipo lost wax, com obtenção de alta eficiência energética nas bombas de pequeno porte. Com isso, passou a fundir os rotores de pequeno e médio porte com pequenos detalhes na geometria, determinantes para o bom desempenho hidráulico e rugosidade superficial.

Como a eficiência hidráulica aumenta, o consumo de energia diminui, tornando a operação mais econômica. No caso de uma bomba acoplada a um motor de 125 cv, com a melhoria da eficiência de bombeamento de 3 a 5% absolutos, a economia anual pode passar de 50 mil kWh, com redução do custo de cerca de R$ 12 mil por bomba na conta de energia elétrica.

Em suma, a Imbil oferta hoje produtos mais eficientes e sustentáveis.

Ampliação da fábrica
Para descentralizar as operações produtivas, ampliou a fábrica, ao comprar área próxima à empresa (totalizando 120 mil m²) e a dividiu em unidades, cada uma voltada para um nível de especialização. São elas: Bombas de pequeno porte, Bombas de médio porte, Bombas de grande porte, Bombas para óleo e gás, Fundição de ferro fundido e WCB, Fundição de precisão, Fundição de aços inoxidáveis e ligas especiais, Contratos e serviços de manutenção, Centro de desenvolvimento e Acoplamento e expedição.

Conquista de novos mercados e clientes
Obteve o Certificado de Registro de Classificação Cadastral – CRCC para fornecimento de serviços e produtos á Petrobras, incluindo bancada de ensaio de performance e os referentes à norma API 610. Tornou-se também fornecedora de bombas para a Vale, como as revestidas com Ni-Hard com mais de 700 HB de dureza. Além da Petrobras e da Vale, conquistou outros clientes, como Enseada Indústria Naval – Unidade Paraguaçu, Jari Celulose e Bayer.

Reestruturação de vendas
Criou novos grupos de vendas para atender os setores de óleo e gás, naval, papel e celulose e arroz irrigado. Além disso, aumentou o número de distribuidores autorizados e contratou profissionais para reforçar o departamento de exportações, que até 2009 dedicava-se apenas à América Latina.

Consolidação da marca
A partir de 2010, passou ainda a investir mais na divulgação e consolidação da marca, com anúncios em revista especializada, materiais promocionais dos produtos e presença em feiras de negócios nacionais e internacionais.

 

“O planejamento das ações e muito trabalho ao longo desses anos valeram a pena”, destacou Gleidemilson Batista, assessor da diretoria. “O projeto não só ajudou a amenizar os efeitos da crise, como também nos preparar melhor para enfrentar os desafios do mundo econômico e nos tornar mais competitivos. Para nós, crise é sem o ´s´, ou seja: crie.”

Para definir o conjunto de ações, a Imbil estruturou-se também nas informações do potencial do setor – adquiridas com a colaboração da Abimaq e da Sociedade Brasileira do Vácuo –; e da economia global. Embora reconheça a importância de se acompanhar mercados, indicadores econômicos, projeções, tendências, etc., o diretor executivo afirmou que a sobrevivência e o sucesso de uma empresa dependem, fundamentalmente, da sua capacidade de elaborar e implantar um planejamento estratégico consistente, trabalhar incansavelmente para atingir suas metas e, principalmente, adequar seus produtos e recursos para buscar as melhores e mais rápidas soluções para as necessidades dos clientes.

Batista lembrou que dificuldades existiram, como a obtenção de recursos financeiros em linhas de longo prazo, considerando as taxas de juros e os spreads; e o processo de desenvolvimento e de maturação das soluções tecnológicas, que foram superadas com planejamento.

“Mesmo que o cenário tenha mudado e oferecido potenciais restrições, a Imbil não aceita parar de crescer ou se desenvolver”, disse Siqueira. “Acreditar na possibilidade de realizar nossos sonhos desperta a energia capaz de realizá-los. A motivação, a criatividade, a velocidade de decisão, o uso consciente de recursos e a nossa união estão presentes diariamente em nossas ações rumo à construção do futuro que desejamos.”

Atualmente a companhia concentra suas forças na conclusão do projeto, mas já planeja seu novo conjunto de metas, batizado de Rumo a 2020, que, segundo Batista, está em fase evoluída. E os objetivos maiores continuam no novo plano: modernização, desenvolvimento de produtos, aperfeiçoamento de processos, conquista de novos clientes e fidelização, e educar e reeducar o time de profissionais. “Consideramos a tecnologia intrínseca à evolução”, enfatizou o assessor.

img_info_modernizar_dez_2014

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reportagem produzida pela Central de Geração de Conteúdo de NEI Soluções.    


Inscrições abertas para o treinamento intensivo do programa de certificação internacional em engenharia da confiabilidade

14, fevereiro, 2013 Deixar um comentário

Organizado pela ReliaSoft, o Certified Reliability Professional (CRP Intensive), programa de certificação internacional em engenharia da confiabilidade, está com inscrições abertas para o treinamento intensivo que será realizado de 15 a 26 de julho, em São Paulo.

Destinado a profissionais sem tempo para participar de treinamentos regulares, o CRP Intensive de 90 horas promete redução do tempo na etapa de capacitação, conteúdo qualificado e focado nos desafios da engenharia da confiabilidade, conceitos, teorias, aplicações práticas e softwares de análise. “No Brasil, 80% dos profissionais certificados são do setor de manutenção das indústrias”, revela Claudio Spanó, diretor executivo da ReliaSoft.

Dentre as metodologias abordadas, estão: análise de dados de vida, confiabilidade de sistemas, ensaios acelerados, crescimento da confiabilidade, análise FMEA/FMECA e manutenção centrada na confiabilidade (RCM).

A certificação exige conhecimento teórico sobre os treinamentos MSMT da ReliaSoft, aplicação prática dos conceitos e demonstração do conhecimento através de uma publicação ou apresentação na qual o profissional irá expor os resultados dos seus trabalhos na área de confiabilidade. Os cursos abrangem módulos de introdução, avançados e de especialização, que podem ser ministrados em formato aberto e in company, conforme a disponibilidade de cada aluno.

Os detalhes do programa podem ser acessados aqui.

Serviço: Reliability Seminar – CRP Intensive 2013
Turma: 15 a 26 de julho (segunda à sexta)
Carga horária: 90 horas
Local: Centro de Treinamento ReliaSoft
R. Carneiro da Cunha, 303 – 12º andar – Saúde – São Paulo
Mais informações sobre o CRP: www.ReliabilityProfessional.org


Com investimentos de R$ 1,5 mi, Starrett inaugura centro de treinamento em serras

31, maio, 2012 Deixar um comentário

Auditório com capacidade para receber 38 alunos

Nomeado João Baptista Tomba, o Centro de Treinamentos em Serras – CTS é o primeiro da América Latina. Com 320 metros quadrados, o espaço é dividido em uma recepção, um auditório com capacidade para 38 alunos (para as aulas teóricas) e uma área com a linha de serras e máquinas da Starrett (para as aulas práticas). Além disso, o CTS possui um posto de solda e um espaço para treinamentos com discos de corte.

Os cursos serão ministrados pela equipe técnica da própria Starrett. “Pretendemos montar um calendário anual com diferentes módulos, específicos para cada público. Trabalharemos com três focos de treinamento: comercial, técnico e operacional, divididos nos níveis básico e avançado”, revela Felipe Teixeira, supervisor de produtos da Starrett.

Por enquanto, o espaço é destinado aos colaboradores, representantes comerciais, distribuidores e usuários finais dos produtos Starrett. Futuramente, alunos de escolas técnicas e cursos de engenharia também poderão participar dos treinamentos.

Para agendamentos e outras informações, acesse www.starrett.com.br.


Programação Neurolinguística, você sabe o que é?

14, dezembro, 2011 Deixar um comentário

As ferramentas da Programação Neurolinguística – PNL podem ser aplicadas por todas as pessoas, nas mais variadas áreas de suas vidas. As melhorias na qualidade da comunicação, por exemplo, podem ser aplicadas na área profissional para: formação de líderes e equipes; técnicas para tomadas de decisões e resolução de conflitos; treinamentos em negociação e vendas; oratória; metas e objetivos; e desenvolvimento de carreira.

Mudanças pessoais, como hábitos e comportamentos indesejáveis, também estão dentro da abrangência da PNL, permitindo identificar os bloqueios que impedem a evolução pessoal para o alcance da felicidade. Dentro dessa linha de trabalho, resultados concretos foram obtidos na eliminação do estresse, forte estado negativo, medos, fobias, trauma, compulsões, falta de habilidades sociais, crenças limitadoras, obesidade, etc.

A Programação Neurolinguística estuda as representações da realidade em nossas mentes, ou seja, como criamos nossos sentimentos, pensamentos e comportamentos. Dessa forma, possibilita a otimização e o direcionamento dessa realidade para atingir resultados desejados: percebendo, descobrindo e alterando essas representações.

Como característica principal, fornece ferramentas para observarmos a vida de maneira diferenciada: enxergando, ouvindo e sentindo plenamente o mundo em que atuamos. Desencadeia o autoconhecimento, através do estudo de experiências internas, identificando recursos e estados de excelência.

Abrange três importantes padrões:

  • Programação: estratégias utilizadas pelo nosso cérebro e as sequências de padrões de pensamentos/comportamentos.
  • Neuro: as ligações do nosso sistema neurológico com o cérebro e os demais órgãos dos sentidos.
  • Linguística: nossa comunicação com as outras pessoas – linguagem verbal e não verbal.
Artigo cedido pela Fokus Desenvolvimento Humano.

Entre a Lei e a Multa: como preencher as cotas para PNEs nas indústrias estabelecidas pela Lei? III

29, outubro, 2010 1 comentário

 

 

 

Tetra Pak

A empresa está comprometida com a diversidade e com a inclusão. Esta política é realizada para recrutar e promover pessoas a partir da competência e da diversidade. Para tanto, procura gerar oportunidade para que todos possam se sentir incluídos em seu contexto e tenham a chance de crescer em direção à liderança. Esta visão está associada à sua política de gestão de pessoas. Os indicadores de diversidade demonstram o crescimento da diversidade na empresa, mas, para isto, há investimento contínuo em comunicação, treinamento e educação dos funcionários, tanto de modo técnico, como comportamental. (Relatório de Sustentabilidade Tetra Pak).

Wal Mart

A diversidade assumiu status de diretoria na empresa a partir de 2007. Também foi criado o GAD (Grupo de Aprendizado da Diversidade) com funcionários de diversos setores da empresa. O comprometimento com a inclusão é realizado a partir de metas estabelecidas internamente para assegurar e ampliar a participação de mulheres, negros e portadores de necessidades especiais em seus quadros de trabalho.

Também em 2007, foi realizado um levantamento das condições de acessibilidade de todas as unidades, nas quais foram construídas rampas, adaptados banheiros e portas de acesso, realizado treinamento para as lideranças e treinamento para receber os PNEs na empresa. (Relatório de Sustentabilidade Wal Mart)

Co-autores:

Fabíola Lima Barreto de Oliveira: graduada em Administração de Empresas pela UECE, com especialização em informática pela UFC , cursando atualmente MBA em Gestão de Projetos na FGV. Atua a 20 anos em instituições  financeiras na área de Tecnologia.

Fábio Barbosa dos Santos: graduado em Ciências da Computação pela Universidade São Judas Tadeu, com Pós Graduação em Gestão de Sistemas pela Faculdades Associadas São Paulo, cursando atualmente MBA em Gestão de Projetos na FGV. Atua a 12 anos na área de Tecnologia em empresas do setor de saúde e principalmente em Instituições financeiras.

Referências Bibliográficas:

(1) Fonte: site do Ministério do Trabalho e Emprego

(2) Fonte: RAIS (Relação Anual de Informações Sociais) de 2008

http://www.isocial.com.br

Crédito: artigo escrito por Ana Paula Arbache, sócia diretora da Arbache Consultoria e responsável pelas ações de gestão de pessoas, cidadania corporativa, sustentabilidade ética, social e ambiental.